Centro-esquerda europeu quer combater extremistas e pondera coligação

Rolf Mützenich, líder do grupo parlamentar do SPD, Alemanha
Rolf Mützenich, líder do grupo parlamentar do SPD, Alemanha Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atualmente a segunda força no Parlamento Europeu, os socialistas e democratas vão focar-se em travar a ascensão da extrema-direita, prevista por muitas sondagens sobre as eleições europeias de junho. O líder da bancada do SPD alemão veio a Bruxelas, na quarta-feira, para discutir a estratégia.

PUBLICIDADE

A tendência de subida da extrema-direita é bem visível na maior potência da União Europeia (UE) - a Alemanha - e o líder do centro-esquerda no Parlamento do país, Rolf Mützenich, veio a Bruxelas, quarta-feira, para discutir a estratégia e as mensagens da campanha, alertando que a própria democracia está em risco.

"Mesmo no coração da democracia, seria de esperar que quem quer que se assuma como democrata não brinque com a ideia de querer trabalhar com os anti-democratas, com os extremistas de direita, com tendências fascistas, seja de que maneira for, mesmo que só intelectualmente. Este é o primeiro passo, que também pode ser uma machadada para a democracia", disse, aos jornalistas.

A Alemanha é um dos apenas oito Estados-membros da UE que tem um governo de centro-esquerda, numa coligação com os liberais e os verdes.

É claro que preferimos aliarmo-nos às forças progressistas, mas se isso não for suficiente, temos de compreender que é necessário fazer uma aliança com todos os pró-europeus, o que significa conservadores tradicionais, liberais, nós, verdes e esquerda.
Iratxe Garcia
Líder da bancada de centro-esquerda no Parlamento Europeu

Este poderia ser o modelo para uma futura coligação para manter o poder no Parlamento Europeu, diz a líder da bancada, Iratxe Garcia, que aponta os possíveis parceiros caso a direita se distancie do habitual consenso ao cento.

"É claro que preferimos aliarmo-nos às forças progressistas, mas se isso não for suficiente, temos de compreender que é necessário fazer uma aliança com todos os pró-europeus, o que significa conservadores tradicionais, liberais, nós, verdes e esquerda", enumerou a eurodeputada espanhola.

Sombra da corrupção

O centro-esquerda foi abalado por um escândalo, no ano passado, com alguns dos seus eurodeputados A SEREM acusados de corrupção, incluindo uma vice-presidente do hemiciclo, Eva Kaili (Grécia).

Mas o partido tem, agora, tentado passar a mensagem de que é um porto seguro para os defensores do projeto comunitário,  alegando que o centro-direita se está a proximar dos mais extremistas e eurocéticos.

A prioridade, dizem, deve ser resolver probelmaas sociais com mais investimento público, mas mantendo o défice e a dívida controlados.

O centro-esquerda europeu aprovou o seu manifesto durante um congresso, em novembro passado, em Málaga (Espanha), com o lema "Soluções progressivas para os desafios globais". Deverão reunir-se, no início de março, para escolher o candidato principal e muitos no partido defendem que deve ser uma mulher.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Socialistas europeus definem estratégia já sem Costa

Financiamento da UNRWA deve manter-se para evitar uma catástrofe humanitária em Gaza

UE impõe regras ao patrocínio estrangeiro de anúncios de campanha eleitoral