Trabalhadores de plataformas digitais exigem diretiva da UE

A deliveroo logo on a bicycle in London, Tuesday, July 11, 2017.
A deliveroo logo on a bicycle in London, Tuesday, July 11, 2017. Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2017 The AP. All rights reserved.
De  Maria Psara
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Trabalhadores de plataformas digitais de serviços, tais como Uber, Deliveroo e Glovo, protestaram, quinta-feira, junto ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, criticando o impasse em que caiu a nova diretiva da UE, que visa dar maior proteção laboral ao nível dos salários, seguros e segurança social.

PUBLICIDADE

Muitos destes trabalhadores cumprem regras que vão muito para além do seu estatuto de indepedentes, mas não têm os direitos dos trabalhadores por conta de outrém. Essa precaridade conduz a riscos para os trabalhadores e para as suas famílias, sobretudo em caso extremo como a morte durante o trabalho.

“Temos dois camaradas que morreram na semana passada: um entregador foi atropelado por um veículo pesado, em Lille, e outro camarada foi morto porque queriam roubar a sua viatura e acabou baleado", disse Ben Ali Brahim, sindicalista do TPN, em França.

A Comissão Europeia estima que cerca de 5,5 milhões dos 28 milhões de trabalhadores das plataformas digitais estão mal classificados.

Dar mais direitos implica custos acrescidos para as empresas e alguns países alegam que pode pôr em risco a competitividade da chamada "economia gig". No final, quatro Estados-membros inviabilizaram o acordo político que stava a ser negociado desde 2021.

"Apelamos à França, à Grécia, à Alemanha e à Estónia e dizemos que não podem, desta forma, impedir milhões de trabalhadores, por um capricho,  de obterem direitos. A alguns meses antes das eleições europeias, isso seria ser uma decisão incompreensível e escandalosa", afirmou Leila Chaibi, eurodeputada francesa da esquerda radical.

A diretiva visa, também, travar abusos das empresas tais como a utilização de algoritmos para a gestão de recursos humanos e o processamento de dados pessoais tais como a atividade sindical e o estado de saúde.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE: Bloqueio na diretiva sobre trabalhadores das plataformas digitais

Lei dos Serviços Digitais da União Europeia regula 19 plataformas na Internet

Espanha como exemplo da proteção laboral nas plataformas digitais