EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Desde o combate em trincheiras até ao disparo de morteiros. Eis o que as tropas europeias ensinam aos ucranianos

Soldados ucranianos recebem formação francesa no âmbito da EUMAM, na Polónia.
Soldados ucranianos recebem formação francesa no âmbito da EUMAM, na Polónia. Direitos de autor État-major des armées
Direitos de autor État-major des armées
De  Alice Tidey
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A França está a dar formação às tropas ucranianas na Polónia, no âmbito de uma missão da UE, para aperfeiçoar as competências necessárias no campo de batalha no seu país. A Euronews acompanhou a formação durante um dia.

PUBLICIDADE

O veículo blindado para em frente à trincheira e meia dúzia de soldados ucranianos irrompe. Em segundos, as granadas de fumo obscurecem a cena e o som de tiros rasga o ar.

O céu azul claro torna mais fácil para os ucranianos ouvirem o drone que voa a dezenas de metros de altura, mas a confusão instala-se: o drone é comandado por um dos seus ou pelo inimigo? Um soldado ucraniano dispara por breves instantes contra o drone, mas depois concentra-se nos 200 metros de trincheira que tem pela frente. A velocidade, aqui, é essencial.

Trinta minutos depois, os ucranianos detonaram em segurança várias armadilhas, tiraram a trincheira do controlo do inimigo e estão agora a tratar de um camarada ferido.

O ferimento, no entanto, era falso. As balas eram de pólvora seca. O inimigo não era russo, mas sim francês, e a trincheira não se situava na linha da frente do leste da Ucrânia, mas sim numa base militar polaca.

O assalto fez parte de um treino que as tropas francesas deram aos seus homólogos ucranianos através da Missão de Assistência Militar da UE (EUMAM).

"Estamos a chegar ao terceiro quarto do treino", disse à Euronews o Tenente-Coronel Louis, cujo apelido não é revelado por razões de segurança. "Ainda não chegámos ao fim, mas estamos a começar a trabalhar em exercícios inter-serviços e ligeiramente mais complexos, em que vamos para além das competências básicas. Estamos a começar a trabalhar em manobras".

"O objetivo é levá-los a comandar a sua unidade, observar os erros que possam cometer e, depois, fazer um balanço da batalha", acrescentou.

Este é o quarto batalhão ucraniano a receber uma formação de um mês e meio dos militares franceses na Polónia. Estes batalhões estão entre os mais de 10.000 militares ucranianos que receberam formação da França - na Polónia e em vários locais franceses - no ano e meio desde o lançamento da EUMAM.

Até agora, os 24 Estados-Membros da UE que participam na EUMAM já formaram coletivamente 46 000 soldados ucranianos.

Cada um deles dá uma formação diferente com base nas necessidades da Ucrânia e nas suas próprias especialidades. A Polónia, país vizinho da Ucrânia, acolhe muitos destes programas, paga o alojamento, o equipamento e as munições utilizadas e recebe parte dos custos reembolsados pela UE.

O Reino Unido também treinou outros 36.000 soldados ucranianos no seu território.

Se eles não gostarem, ficamos a saber muito rapidamente

A formação francesa incide sobre os aspetos básicos da infantaria, incluindo a forma de disparar as armas e os morteiros de que dispõem, decifrar um mapa ou observações de drones para ajudar a disparar, manter uma posição defensiva, prestar cuidados médicos básicos, conduzir os veículos doados pela França e, sobretudo, saber quem deve fazer o quê e quando.

A palavra-chave para os instrutores franceses é "adaptabilidade", sublinhou o Coronel Antoine Laparra, Representante Nacional Sénior da França para a EUMAM, durante a viagem de observação de um dia para os meios de comunicação social em que a Euronews participou no final do mês passado.

Têm de se adaptar ao nível dos soldados que a Ucrânia envia - alguns dos quais nunca viram a linha da frente - bem como às expectativas dos dirigentes ucranianos. O feedback é escasso.

"Se o treino não lhes agrada, eles dizem-nos, não têm tempo a perder e a educação e a delicadeza não são as suas características", disse Laparra.

A Euronews não foi autorizada a entrevistar nenhum dos soldados ucranianos participantes, nem os tradutores - na sua maioria mulheres ucranianas - cujo trabalho torna tudo isto possível.

Soldados ucranianos recebem treino de militares franceses como parte da EUMAM, na Polónia.
Soldados ucranianos recebem treino de militares franceses como parte da EUMAM, na Polónia.Estado Maior das Forças Armadas

Durante o treino anterior, os ucranianos foram muito diretos e disseram "não, não queremos mais isso". Por isso, quando eles não gostam, nós sabemos muito rapidamente, disse o Coronel.

É muito importante continuar a formação do pessoal militar ucraniano no âmbito desta missão", afirmou o Ministério da Defesa ucraniano em comunicado enviado por correio eletrónico à Euronews.

PUBLICIDADE

"Isto permite que os defensores ucranianos dominem armas e equipamentos modernos para repelir eficazmente a agressão russa. No decurso das atividades da EUMAM, identificámos vários aspetos que permitem melhorar a eficácia da formação. Por exemplo, a utilização da abordagem "formar os formadores". Isto é importante não só para satisfazer as atuais necessidades de defesa, mas também para desenvolver as futuras capacidades das Forças de Defesa da Ucrânia", acrescentou.

Houve definitivamente uma melhoria

O som das balas a atingirem os seus alvos metálicos a cerca de 100 metros de distância pode ser ouvido, provocando um sorriso de satisfação dos soldados franceses que supervisionam o treino de tiro.

Após mais de três semanas no local, os fundamentos do tiro - como segurar a arma, respirar e premir o gatilho para atingir o alvo - estão mais ou menos adquiridos, pelo que a sessão do dia tem uma camada adicional de dificuldade tática: o chefe do pelotão tem de garantir que as várias sub-equipas se coordenam para disparar contra alvos diferentes e manter munições suficientes para cobrir os seus camaradas quando precisam de recuar.

Este último aspeto revelou-se difícil para o chefe de esquadrão desta vez, um facto que a Tenente-Coronel Léa salientou na reunião após o exercício.

Ainda assim, manteve-se positiva: "Hoje foi um bom exercício, eles estavam muito motivados e podemos ver que houve definitivamente uma melhoria desde o início do treino."

PUBLICIDADE

Os chefes de esquadrão - que supervisionam cerca de 10 soldados sob a sua alçada - desempenham um papel fundamental no exército francês, sendo-lhes prestada especial atenção e à cadeia de comando geral.

Os batalhões ucranianos são compostos por pessoas que foram em grande parte atiradas para o fundo do poço em 24 de fevereiro de 2022, quando a Rússia iniciou a sua invasão em grande escala, e por recém-chegados que nunca viram uma batalha, mas que agora se encontram em posições de liderança. Por conseguinte, é fundamental explicar em pormenor como funciona uma cadeia de comando adequada.

A necessidade é tal que os franceses propuseram que, no futuro, os chefes de esquadrão cheguem uma semana mais cedo para uma formação intensiva. Os ucranianos aceitaram.

Uma semana está muito longe dos dois anos que são necessários para formar um chefe de esquadrão ou um sargento no exército francês, mas o Coronel Laparra está certo de que pode ajudar.

"Estou convencido de que se consolidarmos este nível inferior, ou seja, o esquadrão, inevitavelmente o nível geral da unidade maior, a companhia, irá subir. É tão óbvio que não pode ser de outra forma".

PUBLICIDADE

Nada de engenhocas ou armas caras

Uma das companhias é testada no final do dia. A tarefa consiste em recuperar uma rua inteira numa aldeia de treino ladeada por edifícios de vários andares. O líder da companhia dedica algum tempo a delinear o seu plano e depois é a vez de avançar.

São cometidos erros: uma secção inteira - cerca de três esquadrões - encontram-se todos no mesmo edifício ao mesmo tempo, vários soldados estão demasiado expostos ao fogo inimigo nas janelas, um está completamente exposto num telhado. Vários são registados como feridos.

Noventa minutos depois, os soldados inimigos que se encontravam numa emboscada foram neutralizados e a rua está sob controlo ucraniano. A classificação é positiva. Mas não há tempo para descansar, pois nos próximos dias o nível de dificuldade será gradualmente aumentado com mais soldados inimigos, mais armadilhas e um perímetro mais alargado para proteger.

Soldados ucranianos recebem treino militar das forças francesas através de EUMAM, na Polónia.
Soldados ucranianos recebem treino militar das forças francesas através de EUMAM, na Polónia.Estado Maior das Forças Armadas

Há pouco artifício no que os franceses mostram aos ucranianos, nada de engenhocas ou armas caras, porque a maioria não terá acesso a elas. O kit francês para detonar uma armadilha inclui um rolo de cordel com um metro de comprimento e um gancho, "ferramentas" que os ucranianos podem obter facilmente.

Mas um aspeto a que os franceses não se adaptam é a posição de Kiev na guerra, as suas decisões estratégicas, as perdas e as vitórias, as baixas e a diminuição do poder de fogo, que não são discutidas durante o mês e meio que os franceses e os ucranianos passam juntos.

PUBLICIDADE

O país está atualmente em desvantagem, em grande parte porque não tem munições para se equiparar à Rússia, uma vez que a capacidade de produção na Europa entra em modo de guerra e a ajuda dos EUA está bloqueada no Congresso.

Pedir-lhes que racionem as munições seria contraproducente, porque poderia minar o moral.

"O nosso objetivo é dar-lhes as chaves para lidarem com a situação, quer estejam em dificuldades ou numa dinâmica diferente. Portanto, não é por estarem numa situação tática mais ou menos complicada que vamos mudar as nossas instruções. Damos-lhes realmente as chaves e os fundamentos básicos que lhes permitem resistir e avançar", disse Laparra.

"Os soldados ucranianos atingem alvos a 100 metros de distância, o que já é um sucesso. Sabemos que, como resultado, os cartuchos que vão ser disparados podem ser disparados eficazmente. E o mesmo se aplica aos morteiros. Fazer uma mensagem de disparo eficaz, com uma observação eficaz, é o que vai fazer com que as munições disparadas sejam rentáveis".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem: Reforço da defesa da UE é prioridade até para os eurocéticos

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia