EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Começa o julgamento do plano de golpe de extrema-direita na Alemanha

ARQUIVO - Agentes da polícia junto a uma propriedade revistada em Frankfurt durante uma rusga contra os chamados "cidadãos do Reich" em Frankfurt, Alemanha, a 7 de dezembro de 2022.
ARQUIVO - Agentes da polícia junto a uma propriedade revistada em Frankfurt durante uma rusga contra os chamados "cidadãos do Reich" em Frankfurt, Alemanha, a 7 de dezembro de 2022. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O príncipe Heinrich XIII, uma juíza e ex-militares terão planeado derrubar violentamente o governo alemão.

PUBLICIDADE

Os alegados líderes de uma conspiração extremista para derrubar o governo da Alemanha foram a julgamento na terça-feira, num ambiente de grande interesse político e mediático.

O caso - que chocou o país no final de 2022 - envolve mais de duas dúzias de suspeitos e 260 testemunhas e deverá prolongar-se até 2025.

Perante os juízes do Tribunal de Frankfurt estão o príncipe Heinrich XIII de Reuss, um empresário imobiliário de origens aristocráticas que o grupo alegadamente planeava instalar como novo líder da Alemanha, e a sua namorada russa.

Os restantes suspeitos fazem parte do movimento Reichsbürger, ou "Cidadãos do Reich".

O grupo planeava restaurar o Império Alemão (de antes da Primeira Guerra Mundial) e "eliminar à força a ordem estatal existente", com Heinrich XIII como novo imperador.

Birgit Malsack-Winkemann, uma juíza e antiga deputada do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha, e antigos oficiais militares alemães são outros suspeitos de alto nível na alegada conspiração.

Os procuradores afirmam que o grupo planeava invadir o Reichstag em Berlim com apoio armado, prender deputados e mostrar o Chanceler Olaf Scholz acorrentado na televisão alemã. O objetivo era obter o apoio da opinião pública para o golpe de Estado.

Segundo os procuradores, os conspiradores pretendiam negociar uma ordem pós-golpe com a Rússia. O príncipe Heinrich XIII, de 72 anos, tentou contactar altos funcionários russos em 2022 para obter o apoio de Moscovo. Não é claro se a Rússia respondeu.

Heinrich XIII foi detido pelas autoridades em dezembro de 2022
Heinrich XIII foi detido pelas autoridades em dezembro de 2022Boris Roessler/DPA

A maioria dos arguidos é acusada de pertencer a uma organização terrorista, sendo que o príncipe Heinrich e outro suspeito, um antigo paraquedista, são alegadamente os líderes do grupo, segundo os procuradores.

Foi construído um tribunal especial temporário para acolher o grande número de arguidos, advogados e meios de comunicação social envolvidos no processo. 26 suspeitos serão julgados. Inicialmente eram 27, mas um homem morreu antes do julgamento.

Ameaça do extremismo de direita está a crescer na Alemanha

Os autores do projeto dispunham alegadamente de cerca de 500 mil euros e de um arsenal de 380 armas de fogo e quase 350 armas brancas, bem como de coletes à prova de bala e algemas.

Os procuradores afirmam que tinham elaborado "listas de inimigos" para serem utilizadas quando as autoridades regionais e locais fossem tomadas.

Os membros do grupo estavam "conscientes de que a tomada do poder planeada estaria ligada à morte de pessoas", acrescentaram.

As forças policiais, fortemente armadas, detiveram o grupo em dezembro de 2022, com buscas em vários locais, depois de uma investigação que durou meses.  

As autoridades alemãs alertaram para o facto de os extremistas de extrema-direita representarem a maior ameaça à segurança do país.

Essa ameaça foi evidenciada pelo assassinato de um político regional e por uma tentativa de ataque a uma sinagoga em 2019.

Um ano depois, extremistas de direita participaram num protesto contra as restrições impostas pela COVID-19 e tentaram - sem sucesso - entrar no parlamento de Berlim.

Em janeiro, uma notícia de que extremistas se reuniram para discutir a deportação de milhões de imigrantes, incluindo alguns com cidadania alemã, desencadeou protestos em massa contra a ascensão da extrema-direita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estará o Governo alemão a levar suficientemente a sério a ascensão da extrema-direita?

Governo alemão acusa AfD de defender ideais nazis

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica