EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estará o Governo alemão a levar suficientemente a sério a ascensão da extrema-direita?

Campanha de voto na UE com o chanceler alemão Olaf Scholz e a candidata principal do SPD à UE, Katarina Barley, num cartaz desfigurado com o lema "travar a viragem à direita
Campanha de voto na UE com o chanceler alemão Olaf Scholz e a candidata principal do SPD à UE, Katarina Barley, num cartaz desfigurado com o lema "travar a viragem à direita Direitos de autor Stroud, Olivia/
Direitos de autor Stroud, Olivia/
De  Liv Stroud
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com a última sondagem da Euronews, realizada em abril, o partido de extrema-direita alemão AfD está em segundo lugar nas sondagens para as eleições europeias do próximo mês. Estará o atual governo a fazer o suficiente para contrariar a ameaça da extrema-direita?

PUBLICIDADE

As notícias de que membros do partido dos Verdes e do Partido Social-Democrata (SPD) foram atacados enquanto colocavam cartazes de campanha na sexta-feira em Dresden chocaram a Alemanha.

Muitos, incluindo os líderes do SPD na Saxónia, Kathrin Michel e Henning Homann, culparam o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD). O AfD negou veementemente que estivesse por detrás destes ataques e afirmou que as campanhas eleitorais não devem ser violentas.

No início deste ano, centenas de milhares de pessoas reuniram-se nas principais cidades da Alemanha para protestar contra a extrema-direita. Muitos especialistas receiam que o AfD altere a Constituição, o currículo escolar e introduza, no mínimo, novas leis de cariz nacionalista.

Aqueles que dizem que vão votar no AfD querem uma mudança política e queixam-se de que todos os outros partidos tradicionais, incluindo a União Democrata-Cristã (CDU) e o SPD, não oferecem alternativas.

Os sociais-democratas da Alemanha e da Europa realizaram um congresso democrático em Berlim, no sábado, onde prometeram não cooperar com os partidos de extrema-direita, na eventualidade de ser necessário formar coligações.

Mas estará o atual governo a fazer o suficiente para contrariar a ameaça da extrema-direita?

O porta-voz da fundação alemã Amadeu Antonio, Lorenz Blumenthal, disse à Euronews que o governo está a tentar.

"Pelo menos estão agora a reconhecer a ameaça que a extrema-direita representa para a democracia e para as pessoas que vivem na Alemanha. Mas é claro que foram cometidos muitos erros no passado ao não se atuar totalmente contra o extremismo de direita, especialmente no que diz respeito ao ramo jurídico. Muitos crimes ficaram impunes. E isso, claro, leva a uma nova autoconsciência da extrema-direita, porque se as pessoas não forem punidas pelos seus crimes, podem repeti-los e sentem-se, de certa forma, com mais poder", explica.

Blumenthal também sugere que há um problema de imagem e recomenda que os políticos tomem medidas para serem mais honestos com os eleitores e admitam que podem ter sido cometidos erros, "como por exemplo, durante a pandemia de Covid-19, onde podem ter ido longe demais ao nível das restrições".

Para o eurodeputado, seria útil que os políticos fossem levados mais a sério pelos eleitores se reconhecessem que os tempos são difíceis devido às crises globais, mas também celebrassem as vitórias nacionais. Muitos partidos tradicionais têm medo de ser rotulados de nacionalistas e, por isso, não se orgulham das suas conquistas.

"Mas, especialmente no caso da Alemanha, não nos temos saído muito mal. A Alemanha até saiu surpreendentemente bem da pandemia. Conseguimos muito, enquanto país, em termos de uma transformação muito credível em direção a mais energia verde, em direção ao emprego", reconhece Blumenthal, sublinhando que a recessão não atingiu a Alemanha tão duramente como o AfD quer deixar passar. "A mudança que realmente precisa de acontecer é também a de nos orgulharmos destas coisas", defende.

"Se analisarmos a situação", acrescenta Blumenthal, "o AfD está a fomentar o medo no melhor sentido. Apresentam este cenário apocalítico de que a migração vai arruinar a Alemanha, que o apoio à Ucrânia e a Israel vai arruinar a Alemanha. Basicamente, é sempre a angariação de votos através do medo".

Esta tática pode ser vista em todos os partidos populistas da Europa: "Se voltarmos ao ponto X, Y, Z no tempo, que, para o AfD, é como os anos 50, então tudo ficará bem. É uma visão muito nostálgica e retrógrada da Alemanha, na qual eu, pelo menos, não quero viver", afirma Blumenthal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sociais-democratas do SPD pronunciam-se contra a violência da extrema-direita

O Parlamento Europeu está sob ameaça de espionagem?

AfD rejeita acusações de propaganda pró-russa a troco de dinheiro