EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente e primeiro-ministro da Geórgia trocam farpas sobre lei da influência estrangeira

 A Presidente Salome Zourabichvili, à esquerda, e o Primeiro-Ministro Irakli Kobakhidze, à direita, participam numa celebração do Dia da Independência em Tbilissi, a 26 de maio de 2024
A Presidente Salome Zourabichvili, à esquerda, e o Primeiro-Ministro Irakli Kobakhidze, à direita, participam numa celebração do Dia da Independência em Tbilissi, a 26 de maio de 2024 Direitos de autor Shakh Aivazov/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Shakh Aivazov/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os críticos argumentam que o projeto de lei sobre a influência estrangeira, que está a causar fricções entre a Presidente e o primeiro-ministro, irá impedir a liberdade de imprensa e prejudicar a candidatura da Geórgia à União Europeia.

PUBLICIDADE

A Presidente e o primeiro-ministro da Geórgia trocaram críticas sobre a lei vetada relativa à influência estrangeira, no momento em que o país assinala o Dia da Independência.

A celebração deste ano, que comemora a declaração de independência da Geórgia do Império Russo, ocorre numa altura em que as tensões aumentam devido à legislação que divide o país e que os críticos consideram uma ameaça às liberdades democráticas e às aspirações ocidentais.

"Atualmente, com o espetro da Rússia a pairar sobre nós, a parceria e a aproximação à Europa são a verdadeira via para preservar e reforçar a nossa independência e a nossa paz", afirmou a Presidente Salome Zourabichvili.

President Salome Zourabichvili leaves the podium after celebration of the Independence Day in Tbilisi, May 26, 2024
President Salome Zourabichvili leaves the podium after celebration of the Independence Day in Tbilisi, May 26, 2024Shakh Aivazov/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

"Aqueles que sabotam e minam este caminho espezinham e prejudicam o futuro pacífico e seguro do nosso país, impedindo o caminho para se tornar um membro de pleno direito do mundo livre e democrático."

Mas o primeiro-ministro Irakli Kobakhidze ripostou, dizendo que o governo estava a proteger a "soberania e a independência da Geórgia".

"Foi a unidade e os passos razoáveis do povo e do seu governo eleito que nos deram a oportunidade de manter a paz no país durante os últimos dois anos, apesar das ameaças existenciais e das múltiplas traições, incluindo a traição do Presidente da Geórgia", afirmou.

A legislação, aprovada pelo parlamento no início deste mês, exige que os meios de comunicação social, as organizações não governamentais e outras organizações sem fins lucrativos se registem como "prosseguindo os interesses de uma potência estrangeira" se receberem mais de 20% do seu financiamento do estrangeiro.

Demonstrators rally during an opposition protest against a foreign influence bill in Tbilisi, May 26, 2024
Demonstrators rally during an opposition protest against a foreign influence bill in Tbilisi, May 26, 2024Zurab Tsertsvadze/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

A lei tem sido profundamente impopular entre os georgianos, que a apelidaram de "lei russa" devido à legislação semelhante promulgada por Moscovo em 2022, que os críticos viram como um meio de abafar as críticas ao Kremlin.

Os manifestantes consideram também que o projeto de lei é antidemocrático e pode comprometer as hipóteses de adesão do país à UE. A Geórgia é um país oficialmente candidato desde o ano passado e o apoio à adesão é muito elevado entre os georgianos.

O projeto de lei foi alvo de críticas também fora da Geórgia. A Comissão de Veneza, o mais importante organismo de direito constitucional do Conselho da Europa, afirmou que Tbilisi deveria rejeitá-la.

O Departamento de Estado dos EUA ameaçou a Geórgia com sanções se a legislação fosse para a frente e disse que Washington poderia ter de repensar a sua relação com Tbilisi.

Prime Minister Irakli Kobakhidze's Indendence Day message

Os legisladores norte-americanos apresentaram também dois projetos de lei semelhantes que visam persuadir o Governo georgiano a abandonar a "lei russa". As leis propostas oferecem a liberalização dos vistos e oportunidades para aprofundar as relações entre os EUA e a Geórgia em vários setores, mas sancionam os responsáveis pelo possível retrocesso democrático da Geórgia.

O chefe da política externa da UE, Josep Borrell, afirmou que a lei "afeta negativamente o progresso da Geórgia na via da UE".

Mas o partido no poder, Sonho Georgiano, que propôs e arquivou legislação quase idêntica no ano passado, diz que a lei é necessária para manter a identidade nacional e promover a transparência.

Na semana passada, a Presidente da Geórgia cumpriu a sua promessa e vetou o projeto de lei, considerando-o "inaceitável".

Zourabichvili, que está cada vez mais em desacordo com o partido no poder na Geórgia, disse na altura que a lei contradiz a Constituição e "todas as normas europeias".

Mas o partido Sonho Georgiano tem uma maioria suficiente para anular o veto de Zourabichvili e espera-se que o faça.

Com o fim das celebrações oficiais do Dia da Independência, os georgianos continuaram a protestar contra o projeto de lei nas ruas de Tbilisi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da Geórgia veta lei que provocou semanas de protestos

Josep Borrell critica "lei russa" da Geórgia e exige que seja revogada

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica