EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Novo grupo da esquerda populista pode vir a florescer no Parlamento Europeu, diz sondagem Euronews

Sahra Wagenknecht, líder do novo partido de esquerda alemão, BSW.
Sahra Wagenknecht, líder do novo partido de esquerda alemão, BSW. Direitos de autor Marko Drobnjakovic/Copyright 2021 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Marko Drobnjakovic/Copyright 2021 The AP. All rights reserved.
De  Sergio Cantone
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os movimentos e os partidos de esquerda de toda a UE poderão criar o seu próprio grupo político e competir com a extrema-direita em matérias como a migração e a guerra na Ucrânia.

PUBLICIDADE

As projeções da Euronews Superpoll sobre a composição do próximo Parlamento Europeu após as próximas eleições europeias revelam uma crescente fluidez política entre partidos e alianças.

Alguns dos atuais grupos dificilmente sobreviverão à esmagadora onda conservadora que deverá atravessar o hemiciclo.

Prevê-se que novos grupos parlamentares sejam criados de acordo com as orientações políticas mais recentes dos eleitores da UE, as táticas políticas e os jogos de poder.

Isto deverá influenciar as nomeações para os cargos de topo da UE e a governação da União nos próximos cinco anos, uma legislatura que se espera venha a ser uma das mais exigentes da história da UE.

No dia 9 de junho, os cidadãos da UE irão votar num clima de profunda ansiedade em relação ao seu futuro. Isto explica o crescimento dramático esperado das forças conservadoras que prometem proteção contra a crise económica, contra a migração e a ameaça de uma guerra total. No entanto, do ponto de vista ideológico, não se trata de uma agenda exclusiva da direita conservadora, afirma Boyd Wagner, do Centro de Sondagens da Euronews:

“A atual composição de tudo o que conduz a estas eleições está um pouco em mudança. E penso que uma das coisas que estão a mudar é a esquerda populista, porque existem muitas tendências e muitos matizes nesta ideologia que se aproximam de alguma da direita, na Europa, atualmente”.

O reflexo Wagenknecht

De acordo com os analistas do Centro de Sondagens Euronews, existem condições políticas para a criação de um novo grupo dissidente de Nacionalistas e Populistas de Esquerda, que irá drenar os lugares de três dos atuais grupos existentes, o S&D, os Não-Inscritos e os Grupos de Esquerda.

O vetor político deste novo grupo poderá ser a figura icónica da esquerda radical alemã e antiga líder do Die Linke (A Esquerda), Sahra Wagenknecht, com a sua tentativa de arrebatar o consenso populista da Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita.

O apelo comum dos partidos populistas e nacionalistas de esquerda poderia soar como “o nosso país destituído de pessoas em primeiro lugar”, diz Boyd Wagner:

“Precisamos de ter a certeza de que estamos concentrados nos nossos trabalhadores, precisamos de ter a certeza de que estamos concentrados em garantir que as pessoas têm salários dignos. E isto tem a ver com as negociações que vão ter lugar depois”.

O efeito Wagenknecht é suscetível de magnetizar em torno de um pólo comum outras parcelas políticas dissidentes e partidos do mesmo tipo em toda a UE.

Uma agenda de segurança partilhada pela esquerda?

De acordo com os analistas da Euronews Superpoll, apesar das suas diferentes visões sobre algumas questões, os potenciais afiliados da esquerda populista e nacionalista poderiam encontrar um terreno comum para enfrentar as dificuldades económicas, bloqueando o Acordo Verde, parar a guerra na Europa de Leste, defendendo uma política externa de apaziguamento com a Rússia, abrandar a migração que tem sido considerada uma causa de desemprego e de baixos salários para as classes trabalhadoras nacionais.

É um grupo de esquerda antagonista cuja missão é desafiar os partidos de centro-esquerda e de centro-direita, de cariz liberal-democrático e de “sociedade aberta”.

De acordo com a Euronews Pollsters, os potenciais aliados nos hemiciclos de Estrasburgo e Bruxelas da Aliança de Sahra Wagenknecht (BSW) poderão ser os populistas eslovacos de centro-esquerda do primeiro-ministro Robert Fico, SMER (Direção), da Esquerda Democrática Eslovaca, e do Presidente Peter Pellegrini, Hlas (Voz), da Social-Democracia. O partido de Robert Fico foi suspenso pelo S&D e é atualmente membro dos Não-inscritos.

Os eslovacos, pró-russos e antimigração, poderão trazer quatro lugares. O PTB/PVDA (Partido dos Trabalhadores da Bélgica) poderá contribuir com três eurodeputados de esquerda. O Movimento 5 Estrelas, de Itália, é um acérrimo defensor do cessar-fogo na Ucrânia e opõe-se incansavelmente à política económica da UE. O antigo partido de Beppe Grillo está atualmente sentado na bancada dos Não-inscritos. A política de apaziguamento em relação à Rússia e a agenda soberanista do novo grupo poderiam atrair o LFI (França sem Arco) de Jean-Luc Melanchon. Apesar de o LFI francês não ser anti-migratório e ter fortes ideias ambientais.

Outros movimentos de toda a UE poderão seguir a experiência de Sahra Wagenknecht, como a Bulgária, Portugal, Grécia e os países bálticos, onde as minorias russas têm os seus próprios partidos.

Até que ponto pode alguém como Sarha Wagenknecht empurrar os partidos na sua direção e dizer: “Ouçam, vamos ter divergências sobre estas questões específicas. Mas há outras questões em que estamos de acordo e que consideramos mais importantes para avançarmos. Nessa altura, isso torna-se uma tática de negociação", conclui Boyd Wagner.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como estão os novos partidos políticos da Irlanda a responder à crise da imigração?

Alternativa para a Alemanha fica em terceiro lugar nas eleições autárquicas na Turíngia

"Acordemos". Macron alerta para os "maus ventos" da extrema-direita em discurso na Alemanha