EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Onda de direita radical passa ao lado dos Países Baixos

O legislador anti-islâmico Geert Wilders, do PVV, vota nas eleições europeias em Haia, a 6 de junho de 2024
O legislador anti-islâmico Geert Wilders, do PVV, vota nas eleições europeias em Haia, a 6 de junho de 2024 Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Fernande van Tets
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O líder do PVV, Geert Wilders, esperava aproveitar a onda de apoio à coligação que conseguiu reunir depois de ter vencido as eleições legislativas em novembro e vê a ascensão da direita como parte de uma tendência pan-europeia maior.

PUBLICIDADE

O choque e os aplausos de alegria percorreram a sala cheia onde os membros do Bloco Verde-Esquerda-Trabalho se reuniram para ver os resultados da sondagem. Os resultados parecem sugerir que a lista da coligação de centro-esquerda vai ganhar oito dos 31 lugares que os Países Baixos têm no Parlamento Europeu.

Os aplausos foram ainda mais fortes quando se soube que o Partido da Liberdade e Democracia, de direita radical, deverá ganhar sete lugares. Os partidos pró-europeus deverão ter obtido dois terços dos votos.

"Os partidos pró-europeus nos Países Baixos saíram-se muito bem nestas eleições, o que envia um sinal claro ao resto da Europa de que não há necessidade de trabalhar com a direita radical. O pressuposto de que a direita radical iria vencer estas eleições não se concretizou nos Países Baixos", disse à Euronews Frans Timmermans, antigo primeiro vice-presidente da Comissão Europeia.

Timmermans lidera atualmente a aliança GroenLinks-PvdA.

A bicyclist passes a billboard for the European Elections opposite the Concertgebouw concert hall in Amsterdam, June 5, 2024
A bicyclist passes a billboard for the European Elections opposite the Concertgebouw concert hall in Amsterdam, June 5, 2024AP Photo

A coligação foi formada pela primeira vez nas eleições europeias, mas vai dividir-se quando chegar a Bruxelas. Os trabalhistas fazem parte dos Socialistas e Democratas e os Verdes-Esquerda fazem parte dos Verdes.

Apesar do resultado, não houve nenhuma festa eleitoral organizada pelo Partido da Liberdade e da Democracia de Geert Wilders, que deverá ganhar sete lugares, o que representa um grande aumento em relação a 2019, quando o partido ganhou apenas um lugar.

Durante o único evento de campanha do partido, na quarta-feira, Wilders foi muito solicitado pela imprensa e pelos seus apoiantes.

"Não vou lavar esta mão até dezembro", disse um homem que apertou a mão de Wilders.

Wilders esperava aproveitar uma onda de apoio à coligação que conseguiu reunir depois de ter ganho em grande nas eleições legislativas de novembro. Para ele, a ascensão da direita faz parte de uma tendência maior.

O pressuposto de que a direita radical iria vencer estas eleições não se concretizou nos Países Baixos.
Frans Timmermans
Líder da coligação de centro-esquerda

"O Ocidente está a acordar e vemos partidos como o meu a ganhar popularidade em toda a União Europeia. As pessoas estão a acordar e espero que continuem acordadas", disse à Euronews.

"Os próximos dias são cruciais para o futuro da Europa. Será com mais fronteiras e imigração ou será muito mais duro, não com um alargamento da União Europeia, mas com o regresso dos poderes legislativos às capitais? É esse o nosso objetivo".

Ao lado, Sebastian Stoteler, o homem que irá efetivamente a Bruxelas pelo PVV. Stoteler tem apenas algumas aparições nos meios de comunicação social, pelo que continua a ser bastante desconhecido. No seu sítio Web, chama ao Islão uma ideologia totalitária semelhante ao fascismo e ao nazismo.

O partido de direita radical sempre defendeu a saída da UE, o chamado Nexit, mas mudou de rumo este ano.

Geert Wilders, do PVV, posa para uma fotografia durante uma paragem da campanha para as eleições europeias em Haia, a 5 de junho de 2024
Geert Wilders, do PVV, posa para uma fotografia durante uma paragem da campanha para as eleições europeias em Haia, a 5 de junho de 2024AP Photo

Wilders pretende juntar-se ao Grupo Identidade e Democracia no Parlamento Europeu, no qual se encontra também o Rasssemblement National de Marine le Pen.

"Se quisermos mudar as grandes instituições, como a União Europeia, é mais eficaz fazê-lo a partir do interior. Por isso, partidos como o meu, que parecem estar a ganhar em toda a Europa, desde a Áustria, França e Bélgica até Itália e Espanha e outros países, devem juntar forças e talvez formar um grande grupo de deputados europeus que seja capaz e suficientemente forte para mudar a política europeia a partir de dentro", disse aos jornalistas durante a campanha eleitoral de quarta-feira.

A taxa de participação foi a mais elevada desde 1989, com 47% dos eleitores a irem às urnas. Em 2019, a taxa de participação foi de 42%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo governo dos Países Baixos promete política de asilo "mais rigorosa de sempre"

Protestos estudantis pró-Palestina intensificam-se na Europa

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica