EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Suécia participa em exercícios conjuntos da NATO

Suécia acolhe BALTOPS pela primeira vez como membro da NATO
Suécia acolhe BALTOPS pela primeira vez como membro da NATO Direitos de autor Czarek Sokolowski/AP
Direitos de autor Czarek Sokolowski/AP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela primeira vez desde que se juntou à Aliança Atlântica, a Suécia participa nos BALTOPS, exercícios no Mar Báltico particularmente importantes no atual contexto.

PUBLICIDADE

Agora como membro de pleno direito da NATO, a Suécia está, pela primeira vez, a participar em exercícios militares conjuntos da Aliança Atlântica. As tropas suecas participam nos BALTOPS, exercícios militares no Mar Báltico que ganharam importância com a invasão em larga escala da Ucrânia por parte da Rússia.

Os exercícios incluem desminagem marítima, deteção de submarinos e desembarques. Neles participam 9 mil militares de 20 países.

O coronel Dan Rasmussen, comandante do regimento sueco da Gotlândia, explica a importância de receber este evento: "Já tivemos parceiros no passado, que vieram fazer exercícios, por exemplo, no âmbito dos BALTOPS. Já tivemos aqui tropas estrangeiras, mas esta é a primeira vez que, como membro da NATO, neste caso para o BALTOPS 2024, convidamos soldados norte-americanos e polacos para virem treinar, fazer exercício e cooperar na Gotlândia", diz.

Os exercícios envolvem o exército, a marinha e a força aérea. Têm lugar no Mar Báltico e nos territórios da Suécia, incluindo a ilha da Gotlândia, Lituânia, Polónia e Alemanha. O objetivo é reforçar a interoperabilidade das forças da NATO e demonstrar o empenho dos aliados na segurança conjunta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"É uma honra": Mark Rutte assegura nomeação para secretário-geral da NATO

Mark Rutte vai ser o próximo secretário-geral da NATO depois de ter conseguido apoio da Roménia

Secretário-Geral da NATO diz que China pode enfrentar sanções por ajudar a Rússia