EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Partido Trabalhista com uma vitória histórica: os vencedores e os vencidos

Reino Unido Elex
Reino Unido Elex Direitos de autor Euronews with AP
Direitos de autor Euronews with AP
De  Jack Schickler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Keir Starmer será o próximo Primeiro-Ministro do Reino Unido com uma maioria de 165 votos. Rishi Sunak admitiu a derrota e anunciou a sua demissão, assumindo a responsabilidade por um dos piores resultados de sempre dos Tories.

PUBLICIDADE

O Partido Trabalhista britânico está em vias de conquistar um número notável de 405 dos 650 lugares na Câmara dos Comuns, dando ao partido de esquerda uma das maiores maiorias da sua história, de acordo com uma sondagem de boca-de-urna produzida pela Ipsos.

O resultado representa uma derrota esmagadora para o Partido Conservador, que lidera o país desde 2010, sob cinco líderes diferentes.

Keir Starmer, o antigo procurador que substituiu Jeremy Corbyn como líder do Partido Trabalhista em 2020, será nomeado primeiro-ministro já na sexta-feira, após a demissão de Rishi Sunak, que é agora considerado o líder com o pior desempenho de sempre.

Tumulto político

O resultado de quinta-feira marca o fim de cinco anos tumultuosos para a política britânica.

Um período em que se assistiu a uma pandemia, à guerra na Ucrânia e a uma inflação elevada, mas também a três primeiros-ministros conservadores, dois dos quais se demitiram na sequência de escândalos, sendo que a mais antiga, Liz Truss, permaneceu no cargo apenas 49 dias depois de os seus cortes fiscais não financiados terem levado os mercados financeiros a uma queda vertiginosa.

Boris Johnson, vencedor das eleições de dezembro de 2019 com uma sólida maioria de 80 lugares, foi destituído depois de ter violado as leis de isolamento da Covid ao organizar festas nos escritórios de Downing Street.

As sondagens têm vindo a prever uma vitória dos trabalhistas desde que as eleições foram convocadas em maio, se não mesmo antes. A confirmarem-se as sondagens, os conservadores ganhariam apenas 131 lugares, o que seria o seu pior resultado desde 1918.

Entre hoje e amanhã de manhã, serão anunciados os resultados dos círculos eleitorais individuais, que determinarão o destino de cada deputado.

De acordo com algumas sondagens, mesmo deputados do calibre de Sunak e Truss poderão perder os seus lugares, apesar de terem obtido maiorias sólidas em 2019.

O que significa a vitória dos trabalhistas?

A vitória de Starmer significa que lhe será pedido que forme um governo e nomeie ministros. A sua maioria significativa na Câmara dos Comuns significa também que poderá fazer aprovar legislação, o que exige uma maioria simples.

A câmara baixa de Westminster tem mais poderes do que a Câmara dos Lordes, que é maioritariamente composta por nomeados vitalícios cujas alterações podem ser anuladas.

A mudança de governo não significará uma reviravolta no Brexit, uma vez que o novo primeiro-ministro não parece disposto a repetir as guerras políticas fraturantes sobre a Europa que dominaram a última década.

Starmer está familiarizado com o tema, tendo sido ministro-sombra do Brexit durante o governo de Corbyn.

Mas excluiu a possibilidade de voltar a integrar o mercado único e a união aduaneira da UE ou de reintroduzir a livre circulação de pessoas.

Alguns analistas ainda têm esperança de que o novo governo traga mais estabilidade ou relações mais calorosas com a UE em domínios políticos específicos.

PUBLICIDADE

No seu novo papel, Starmer deverá encontrar-se com muitos dos seus homólogos europeus na Cimeira da NATO, nos EUA, de 9 a 11 de julho, antes de receber a Comunidade Política Europeia, a 18 de julho.

Um rosto conhecido num papel de protagonista

Um rosto conhecido do Brexit desempenhou um papel fundamental nestas eleições: Nigel Farage, durante 20 anos eurodeputado pelo Partido da Independência do Reino Unido, cujo sucesso eleitoral pode ter tido um impacto decisivo na decisão de realizar o referendo de 2016.

As sondagens à saída prevêem que o novo partido de Farage, o Reform Uk, ganhe 4 lugares, o que o tornará, pela primeira vez, legislador em Westminster, depois de inúmeras tentativas falhadas.

Mesmo nos círculos eleitorais em que perdeu, o Reform pode ter retirado votos aos conservadores, piorando a situação para Sunak.

PUBLICIDADE

Siga toda a nossa cobertura no blogue em direto (em Inglês).

Atualização***:*** este artigo foi atualizado às 5:33 com os últimos resultados das sondagens.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições gerais no Reino Unido: Abertura das urnas em todo o país numa votação de alto risco

Eleições no Reino Unido: líderes partidários fazem última tentativa para conseguir votos

Nas profundezas das ruas de Paris existe um mundo escondido de vinhos