Novas tecnologias preservam qualidade de vida de doentes e idosos

Novas tecnologias preservam qualidade de vida de doentes e idosos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As vidas tornaram-se mais longas, mas isso obriga as pessoas a lutarem contra as doenças, para manterem uma qualidade de vida aceitável.

As ferramentas tecnológicas, mesmo as mais antigas, ajudam nessa luta, para quem tem de permanecer em casa.

É como uma mão amiga

Em Cádiz, no sul de Espanha, vive Antonio, de 69 anos, um trabalhador da construção civil, já aposentado, depois de muitos anos a pintar prédios.

Sofre da doença pulmonar obstrutiva crónica.

Frequentemente, os seus vasos respiratórios estreitam tanto que ele sufoca.

Todos os dias, numa tablet, António tem respostas para questões diferentes e registos sonoros do seu sistema respiratório.

O objetivo é impedir e tratar qualquer eventual crise respiratória, sem recurso a um hospital.

Ele está satisfeito com o sistema:

“Ir às urgências é uma loucura. Eu perco lá um ou dois dias, sufocando, enquanto fazem radiografias e análises ao sangue. Para quê? Eu tenho já milhares de radiografias feitas, estou seco de sangue. Eles já sabem qual é a minha doença. Este computador diz ao meu médico se uma crise está para começar. Ele pode recomendar-me o que devo fazer, em repouso. É como ter um médico em casa e falar com ele, durante todo o dia”.

Os dados diários são enviados, online, para o Hospital.

Cada paciente tem um dígito que simboliza o seu estado geral de saúde.

De acordo com as suas respostas diárias e com os sons respiratórios, esse número aumenta ou diminui. Se aumenta radicalmente, os médicos intervêm: uma nova crise pode começar a qualquer momento.

Antonio León, médico no hospital da Universidade de Puerta Del Mar, acredita no futuro destes sistemas:

“Num futuro próximo, pode-se prever o início de uma crise. Adotaremos um tratamento específico que será transmitido ao doente, online ou pelo telefone, o que poderá fazer a si próprio, sem precisar de vir ao hospital”

O mesmo sistema foi testado com pacientes mais idosos, mais dependentes, num lar de terceira idade, também em Cadiz.

Neste caso, com ajuda de assistentes sociais, como María Luisa Rodríguez:

“Quando não estão a respirar normalmente, mesmo que não se trate de uma crise, eles pensam que estão quase a morrer. Apavoram-se e sofrem de ansiedade e de depressão. Este sistema fornece-nos mais segurança”.

O software e a ferramenta foram desenvolvidos por cientistas, num projecto de investigação da União Europeia.

Os diferentes protótipos envolvidos evoluíram antes do tempo previsto, com avanços científicos e tendo em consideração as preferências dos utentes finais, quando foram ajustadas as formas e o processo de comunicar dos equipamentos.

Os primeiros resultados analisados são prometedores, diz o coordenador do projeto, como diz Luis Felipe Crespo, coordenador do projeto:

“Quando uma crise respiratória vem, a doença destes pacientes leva a um internamento de 45 dias. Este sistema divide por dois esse tempo de hospital. Talvez tenham de passar apenas 20 a 25 dias no hospital. O resto do tempo passam-no em casa, não no hospital. Isso é uma melhoria enorme, na sua qualidade de vida”.

O problema é diferente, no norte da Suécia. Aqui, os investigadores estão à procura de formas que evitem o isolamento social que, na população idosa, pode conduzir à depressão e à ansiedade.

Numa sala de visitas, a cor verde das redes do protótipo diz-lhes que um email novo chegou. A cor vermelha significa que há uma resposta urgente.

Uma plataforma especial com software facial de reconhecimento foi desenvolvida para identificar, desta forma, se o utente se sente feliz, estável ou triste.

A informação é transmitida automaticamente aos serviços sociais e à família.

Irma Widman, é um voluntário do projecto de investigação:

“Esta plataforma ajudou-me a ser socialmente mais ativa. As novas tecnologias e as redes sociais não são apenas para as gerações mais novas. Nós, pessoas adultas, podemos igualmente aproveitar estas possibilidades enormes, permitidas por estes instrumentos do computador”.

Irma e o marido são convidados, frequentemente, para grupos, onde descobrem novas ferramentas.

As cores, em diferentes suportes, emitem mensagens, sem qualquer obstrução, motivando as pessoas mais idosas para a integração informática, começando pelo contacto com a família, os amigos, ou os assistentes sociais.

Uma forma fácil de quebrar o sentimento de isolamento e estimulando a vida social.

John Waterworth, coordenador, projeto, explica as virtualidades do sistema:

“Responde ainda a outro fator, que é a escuridão do exterior, dá a conhecer o significado de tempo noturno, mesmo para quem perdeu a capacidade de ler, o que acontece muito com pessoas idosas. Faz esse tipo de aproximação. A ideia é essa, mudando qualquer coisa no ambiente, pode transmitir-se a consciência de que precisam de responder de uma determinada maneira. Este tipo de media não define conteúdos, não identifica interlocutores, não diz a que compromissos se faltou, não alerta para outras urgências”.

Perto do centro de Barcelona, vive Vitória, de 82 anos. Sofre de demência, desde 2005.

Esqueceu os seus talentos culinários, perde-se, com muita frequência.

Ela e filha, o seu principal apoio, ofereceram-se para testar uma plataforma em linha, para informar os médicos, da evolução diária.

Marisol Bahi Sumalde, a filha, enumera as qualidades da nova ferramenta:

“Estes exercícios ajudaram-na a estruturar os seus dias. E permitiram que permaneçamos em contato mais próximo com os médicos. Fazemos os exercícios de ginástica, os exercícios de música. E também, muito frequentemente, os jogos de memória. Tudo isto depende do seu estado. Às vezes, quando está cansada, preferimos a música, em vez dos jogos de memória. Mas a plataforma do computador foi muito útil para ela”.

Os dados dos exercícios são analisados pela equipa clínica. Os médicos podem verificar a evolução dos pacientes, responder às perguntas do acompanhante, às dúvidas e às ansiedades.

María José Ciudad, neuropsicóloga, usa o equipamento, para diversos fins:

“Nós podemos verificar se o acompanhante principal se sente oprimido, se precisa de alguma ajuda, se está a fazer tudo bem ou se há necessidade da nossa intervenção. E, referindo-se aos pacientes, podemos verificar a pressão arterial, mobilidade, níveis cognitivos, se se sente mais ou menos desorientado”.

Os geriatras consideram a plataforma um grande avanço para quem sofre de demência, sem dispensar as consultas presenciais.

Ignasi Sáez, geriatra, diz que isto não substitui o contacto direto com o doente:

“Eu não gostaria que estes dispositivos desumanizassem a relação que temos com os doentes. Não quero transformá-los apenas num número, numa palavra, ou numa página de computador. Mas penso que estas tecnologias são realmente eficazes, certamente, vão ajudar-nos a saber mais sobre os nossos pacientes, começando pelo contacto com eles, e dando respostas mais exatas sobre as suas necessidades”.

E alguns novos utentes online dizem que encontram nos computadores uma ferramenta útil, para aprender e saber mais.

www.amica-aal.com

agnes-aal.eu

www.aladdin-project.eu

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas voltam atrás no tempo para salvar ecossistemas marinhos

Robô europeu promete mais competitividade ao setor da construção

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu