This content is not available in your region

Comboios dentro do eixo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Comboios dentro do eixo

Dimos Liaptsis, engenheiro de Inspeção, coordenador do projeto TWI/ AxleInspect: “Nos últimos 15 anos, só na Europa houve 30 mortos e 48 feridos diretamente ligados a falhas estruturais dos eixos ferroviários”.

Sam Broujeni, diretor de Engenharia, Balfour Beatty Rail: “Os eixos suportam uma enorme quantidade de carga e estão sempre num estado de fadiga cíclica.”

“Em determinadas frequências é necessário verificar o eixo”.

Num hangar em Inglaterra, investigadores europeus estão numa missão. Trabalham para tornar os caminhos ferroviários mais seguros, com novas ferramentas para inspecionar os eixos dos comboios.

A tecnologia baseia-se em ultrassons. Os primeiros testes são realizados em eixos com falhas feitas artificialmente. As pequenas fissuras, a vermelho, são facilmente identificadas e medidas.

Depois esta tecnologia é testada num eixo de um comboio verdadeiro. O eixo é diagnosticado como sendo saudável, o comboio inspecionado é seguro para seguir viagem.

Stavros Avramidis, engenheiro de Inspeção, TWI: “Os resultados experimentais mostram que as menores defeitos podem ser medidos no centro do eixo e podem ter apenas 2 ou 3 milímetros de comprimento e apenas um milímetro de altura. A nossa precisão é muito boa, maior do que a média de segurança exigida pela legislação europeia relativa à inspeção de comboios.”

O trabalho de investigação durou quase 3 anos, para chegar a este novo protótipo de inspeção de eixos.

Dimos Liaptsis: “Um dos nossos principais objetivos era desenvolver um sistema o mais adaptável possível aos diferentes diâmetros de eixos e geometrias.

“Tivemos que encontrar um sistema capaz de se ajustar a esta variabilidade. Isso implica o número de áreas críticas dentro de um determinado eixo, os diferentes diâmetros de diferentes eixos ou a distância das áreas críticas até ao eixo”.

Os comboios de alta velocidade têm eixos ocos. Assim sendo, os investigadores tiveram de desenvolver sensores especiais, para inspecionar o interior, bem como o diâmetro exterior.

Iván Castro, engenheiro Industrial, IK4-Ideko: “Combinámos duas técnicas: ultrassons e tecnologia eletro-magnética. Os ultrassons permitem inspecionar a superfície externa do eixo. A tecnologia eletromagnética explora as superfícies internas. Depois processámos os dados combinados com um software exclusivo. Desta forma, temos a certeza que avaliamos o eixo a 100%.”

Este novo sistema de inspeção portátil foi projetado para ser mais rápido, mais barato e mais fácil de usar.

Uma boa notícia, para os departamentos de manutenção das empresas de ferrovias.

Sam Broujeni: “Nos trabalhos de manutenção trazemos o comboio ou a maquinaria para um hangar ou para uma oficina como esta e tiramos os bogias (truques ferroviários) do conjunto de engrenagens. Tiramos tudo e fazemos os testes. Com este novo scanner, não precisamos fazer isso. Podemos simplesmente tirar as tampas e o eixo e depois passar o leitor no eixo. Desta forma conseguimos examinar o corpo do eixo”.

Os investigadores esperam que o novo sistema possa estar bem encarrilhado para comercialização, no espaço de 5 anos.

www.axleinspect.eu