Satélites ao serviço da segurança marítima

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Satélites ao serviço da segurança marítima

Os satélites são os principais aliados dos serviços que vigiam as nossas águas e controlam a segurança nos mares. A guarda costeira italiana oferece-nos um bom exemplo da utilidade prática da tecnologia dos satélites, com a vaga de migrantes no Mediterrâneo, mas há muitos outros e todos os serviços funcionam sob a coordenação da Agência Europeia de Segurança Marítima (AESM), situada em Lisboa.

Partimos de Fiumicino, próximo de Roma, para a inspeção da frota de pesca local. A equipa localizou um navio, através do sinal do transponder enviado via satélite e vai agora verificar se está tudo em ordem.

Este é apenas um exemplo das muitas responsabilidades que pesam sobre a guarda costeira. O comandante António Lofú enumera as outras:
“Controlar a pesca ilegal, participar na investigação, lutar contra a poluição, a pirataria e o terrorismo. E ainda todas as missões que os corpos da polícia nos solicitam para garantir a segurança nacional”.

O centro de controlo de emergências da guarda costeira situa-se nas proximidades de Roma. Todo o tipo de incidentes são canalizados para aqui – ultimamente o trabalho tem sido muito intenso com a travessia do Mediterrâneo pelos imigrantes.

O coordenador Sirio Faé, conta:
“Quando temos bom tempo e o mar está calmo, há muita gente que tenta a travessia. Pode acontecer que tenhamos que lidar com 25 ou 26 situações ao mesmo tempo”.

De cada vez que há um alerta, é uma corrida contra o tempo.
Para que a guarda costeira possa salvar vidas tem que ter informações precisas de onde se encontram os barcos, numa enorme área de mar aberto.
Todo o processo de busca e salvamento se baseia fortemente nas tecnologias de satélite.

“É aqui que as operações de salvamento acontecem. Aqui no mapa vêm-se as costas da Sícilia e da Líbia. Normalmente os imigrantes utilizam os telefones de satélite para enviar os pedidos de socorro, assim que o barco se encontra a 10, 20 ou 30 milhas da costa da Líbia. Com a tecnologia dos satélites, podemos acompanhar a rota dos navios mercantes e dos barcos de pesca na área. E, no momento, temos que decidir qual dos barcos estás melhor posicionado para prestar assistência”.

Todo o tipo de satélites está envolvido na segurança marítima. Alguns como o Sentinela Europeu têm radares e instrumentos ópticos, enquanto outros, como o ExactEarth Constellation, do Canadá, recolhe as mensagens do sistema de identificação automática dos navios.

Carsten Tobehn, diretor de projeto na ESA explica-nos a localização dos satélites:
“A primeira camada é a da baixa órbita da Terra – entre 500 e 1000 quilómetros – onde estão essencialmente os satélites de observação da Terra. A camada seguinte é a órbita média, a cerca de 30 mil quilómetros, onde temos os sistemas de navegação como o Galileu e o GPS. E o nível seguinte, que é o mais conhecido, é a órbita gestionária, a 36 mil quilómetros, uma longa distância para as telecomunicações e também para os satélites meteorológicos para sabermos o tempo, em tempo real.

O processamento de tantos dados, provenientes de tantas fontes, é feito em Lisboa, na Agência Europeia de Segurança Marítima (AESM).

As equipas da AESM seguem os navios nas águas europeias e fornecem informação em tempo real aos clientes qualquer que seja a situação – da pirataria ao controlo das fronteiras – e centram-se especialmente na deteção dos derrames de combustíveis no mar.

O responsável das operações, Leendert Bal, exemplifica um controlo: “Temos aqui o sistema de deteção de derrames de combustíveis. Vê-se aqui claramente o derrame produzido por um navio próximo da costa britânica. Agora queremos saber que navio é este, quem é o poluidor. Podemos cruzar os dados com os que recebemos no outro sistema, que nos fornece a informação sobre o posicionamento dos navios. Podemos sobrepôr esta informação e vemos claramente que este navio segue o seu próprio derrame e temos a combinação perfeita”.

Mas há limitações à utilidade dos radares e satélites ópticos no rastreio da poluição., como refere Bal: “Actualmente, os satélites passam duas vezes por dia sobre a Europa. E duas vezes por dia podemos observar as descargas ilegais nas águas europeias. Mas não chega, porque se os armadores conhecerem a órbita dos satélites e as janelas de cobertura, é muito fácil para eles, quando querem fazer algo que não é permitido, fazerem-no quando não estamos a observar. E isto é um problema”.

É aqui que entra a ESA. A Agência Espacial Europeia está a trabalhar em conjunto com os utilizadores e a indústria dos satélites para encontrar novas soluções técnicas para melhorar a segurança marítima.

“Quais são as necessidades dos utilizadores? Quais são as ferramentas de que dispomos atualmente e quais são as lacunas, os pontos que falta preencher no mapa da Terra e dos oceanos, para termos a informação de que necessitam? Identificamos o serviço, a informação que falta e desenvolvemos ferramentas, quer seja o processamento no terreno, os algorítmos, a tecnologia de satélite para a próxima geração dos satélites de telecomunicações ou dos satélites de radar”.

Ainda este ano serão lançados outros satélites. Vão cobrir órbitas diferentes e permitir ver ainda melhor o que se passa no mar.

Enquanto isso, a guarda costeira depende da ajuda do espaço para a sua tarefa mais importante – a busca e o salvamento.

“Hoje, a tecnologia dos satélites ajuda a salvar vidas, basicamente porque resolve o problema mais difícil que é o do posicionamento: a obtenção das coordenadas para a localização. Com uma tecnologia de satélite capaz de identificar uma posição, podem-se contactar as autoridades que, por seu turno, procedem ao salvamento se necessário e isto é a diferença entre a vida e a morte”, conclui o coordenador Sirio Faé.