EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A aquicultura e as alterações climáticas

A aquicultura e as alterações climáticas
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No final do século, as temperaturas da água do mar podem vir a aumentar entre 2 e 4 ºC, de acordo com as previsões mais pessimistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas…

No final do século, as temperaturas da água do mar podem vir a aumentar entre 2 e 4 ºC, de acordo com as previsões mais pessimistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC). Quais seriam as consequências para peixes e mariscos com alto valor comercial? Será que as ostras podem sobreviver às alterações climáticas e ao aumento da temperatura da água no mar e nos oceanos de todo o mundo? As respostas chegam de Tavira, em Portugal.

Os biólogos marinhos querem perceber como é que o aumento dos níveis de temperatura, salinidade e acidez na água podem afetar a fisiologia das ostras. Os investigadores também querem perceber se as temperaturas mais quentes podem afetar os ciclos reprodutivos das ostras e as consequências a longo prazo.

As ostras e outras espécies de alto valor comercial estão a ser estudadas num projeto de investigação europeu que pretende perceber como é que as alterações climáticas vão influenciar os peixes e mariscos de toda a Europa e como é que a indústria se pode se adaptar.

Segundo Myron Peck, da Universidade de Hamburgo; “Podemos prever a rapidez com que os peixes vão crescer e o que pode acontecer com determinadas unidades populacionais. Também temos envolvido alguns modelos económicos, para conseguirmos observar os efeitos sobre os agricultores ou pescadores”.

Uma central energética aquece a água numa aquicultura experimental no norte da Polónia. Os investigadores estudam como as carpas se adaptam a um ambiente mais quente.

“Quanto mais quente for a água, mais desequilibrada se torna a fisiologia da carpa. Esse stress torna-as mais vulneráveis aos ataques de vírus e bactérias”, acrescenta o nutricionista de peixes, Jacek Sadowski.

As explorações de aquicultura comercial estão envolvidas na investigação. Produzem, anualmente, aproximadamente 25 toneladas de carpas e outros peixes. O conhecimento científico vai ajudar a minimizar os riscos e a maximizar os lucros.

“Sabemos que as águas mais quentes podem afetar o crescimento dos peixes, mas os nossos clientes exigem carpas grandes, com 2 ou 2 quilos e meio, em média. Compreender os padrões das alterações climáticas pode permitir-nos desenvolver estratégias de alimentação mais eficientes, para ajudar nossas carpas a prosperar”, adianta Mateusz Gzyl.

Através do trabalho de campo os investigadores criam modelos que avaliam riscos, a vulnerabilidade e a capacidade de adaptação das espécies estudadas.

Mais info: www.ceresproject.eu

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas voltam atrás no tempo para salvar ecossistemas marinhos

Robô europeu promete mais competitividade ao setor da construção

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu