EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Projeto AnDy: Um companheiro para casa e para o trabalho

Projeto AnDy: Um companheiro para casa e para o trabalho
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews foi até Génova, ao Instituto Italiano de Tecnologia, onde uma equipa de cientistas desenvolve um projeto com humanóides altamente sofisticados.

O projeto AnDy investiga comportamentos humanos para ensiná-los a robôs.

O objetivo é fazer dos humanóides parceiros no trabalho. Poderão ser úteis em setores como a indústria ou os cuidados de saúde.

Os investigadores do Instituto Italiano de Tecnologia, em Génova, procuram que a interação entre pessoas e humanóides seja o mais eficiente possível.

O projeto AnDy é possível graças ao Programa de Inovação e Investigação Horizon 2020, da União Europeia.

A equipa desenvolve um conjunto de programas cujo objetivo é permitir que os robôs aprendam a anticipar os comportamentos humanos. E que funcionem de forma estável e autónoma.

Os robôs que desenvolvem têm um conjunto de sensores que permitem que entendam, por exemplo, como se mexem as pessoas. Por outro lado, detetam a presença humana graças à visão.

E apercebem-se do contacto com os humanos, durante uma determinada interação, graças à pele, ou ao que substitui a pele.

Para que entenda as ações humanas, o robô precisa de sensores. Sensores que são integrados numa espécie de fato tecnológico. Permitem uma deteção muito rápida dos movimentos das pessoas, permitindo que o humanóide reaja de forma rápida e em tempo real.

Um algoritmo permite calcular a chamada dinâmica do Humano, ou seja intensidade do esforço humano. A informação é depois transmitida ao robô.

No futuro, espera-se que o robô possa prevêr os nossos movimentos e ajudar-nos em tarefas que poderão ser partilhadas. A aprendizagem dos movimentos dos humanos pode ser útil em vários setores profissionais.

Estes robôs têm uma capacidade muito particular: a de recolher dados e de associar uma imagem a um determinado elemento. Algo que pode ser feito, por exemplo, por assimilação sonora, sem a necessidade de intervenção de um ténico. Em termos, práticos, como um diálogo entre pessoas e máquina.

E como podemos falar com o robô, podemos dar-lhe ordens, ou seja, explicar-lhe, por exemplo, o que é um telefone. Deste forma, seguindo o mesmo mecanismo, qualuer pessoa que interaja com o robô vai conseguir explicar-lhe tudo o que precisa de saber.

Os investigadores procuram também que os robôs tenham expressões faciais. É mais agradável interagir com um humanóide capaz de gerar empatia. Seja qual for o contexto.

Os investigadores do Instituto Italiano de Tecnologia dizem que procuram que os robôs adquiram um conjunto de capacidade cognitivas integradas.

É fundamental que possam aperceber-se da presença do Ser Humano e integrar essa perceção com as capacidades motoras. Um objetivo que esperam atingir dentro de 10 a 15 anos.

A equipa de cientistas do ITI explicou também à Euronews que, por agora e durante muito tempo, a colaboração entre robôs e humanos será possível em determinados limites.

Não será, para já, possível esperar que os humanóides substituam totalmente as pessoas, nem no trabalho, nem em casa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas voltam atrás no tempo para salvar ecossistemas marinhos

Robô europeu promete mais competitividade ao setor da construção

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu