EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Medicina do futuro embalada pelo ritmo cardíaco de humanos virtuais

Em parceria com The European Commission
Medicina do futuro embalada pelo ritmo cardíaco de humanos virtuais
Direitos de autor CompBioMed & Barcelona Supercomputing Center
Direitos de autor CompBioMed & Barcelona Supercomputing Center
De  Katharina RabillonPedro Sacadura
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Projeto "CompBioMed" envolve investigadores biomédicos de elite que trabalham para criar avatares de modo a desenvolver tratamentos e medicamentos à medida das necessidades individuais.

A ideia de nascimento de um gémeo digital, que pode ser submetido a testes prévios a medicamentos ou cirurgias para minimizar os riscos, saiu do papel para ganhar forma.

O projeto "CompBioMed", desenvolvido no quadro do programa europeu de investigação e inovação Horizonte 2020, apresenta-se como uma visão de vanguarda da medicina de futuro. Em termos práticos é o ponto de partida para o surgimento de sósias virtuais, feitos não de carne e osso mas antes de bits e bytes, com batimento cardíaco e código genético idênticos aos da pessoa representada.

Investigadores envolvidos na criação da versão virtual de nós mesmos sublinharam acreditar que o humano virtual pode ter um impacto profundo, altamente estratégico, na medicina e revolucionar os cuidados de saúde.

Peter Coveney, da University College de Londres, lidera o ambicioso Centro de Excelência em biomedicina computacional "CompBioMed". À Euronews lembrou as vantagens da iniciativa: "Não há dúvidas que o sósia virtual vai salvar vidas. Pela razão de que é capaz de prever um resultado antes de uma ocorrência."

Andrea Townsend-Nicholson, professora de bioquímica e biologia molecular na University College de Londres, acrescentou: "Estamos a construir um humano virtual peça a peça. É revolucionário porque olha-se para o sistema e para o paciente como uma pessoa completa."

Medicina "customer-centric"

O projeto "CompBioMed" combina dados específicos de órgãos fornecidos por raios X, ressonâncias magnéticas ou tomografias, juntamente com informações sobre o genoma e outros dados que ajudam a criar o avatar virtual personalizado.

"Podemos ver todos os tipos de sistemas através de dados inseridos no computador, desde as bases e letras do genoma até ao esqueleto", revelou Andrea Townsend-Nicholson.

Para dar vida a órgãos como o coração virtual, os cientistas desenvolveram muitos programas especializados e algoritmos.

"O coração virtual reproduz todos os detalhes do coração da pessoa que estamos a analisar. Pode ser usado antes de uma cirurgia se houver um problema como arritmias ou ataques cardíacos, de modo a que o cirurgião possa planear previamente a operação e maximizá-la", lembrou Peter Coveney, coordenador do Centro de Excelência em biomedicina computacional "CompBioMed".

Virtualizar algo tão complexo como o corpo humano requer um enorme poder computacional e incontáveis horas de trabalho.

Um verdadeiro projeto de colaboração europeia

É no Centro de Supercomputação Leibniz, da Academia de Ciências da Baviera, que se conduzem algumas das simulações de computador de ponta. O Super MUC-NG é o supercomputador mais poderoso da Alemanha, como referiu, em entrevista à Euronews, o professor Dieter Kranzlmüller, presidente do quadro de diretores do Centro de Supercomputação Leibniz: "Os supercomputadores são usados para grandes modelagens e simulações. O poder de computação atual do Super MUC-NG será, provavelmente, o mesmo de um Ipad ou smartphone dentro de 20 anos. Tentamos simular hoje o que precisamos dentro de 15 a 20 anos para a prática da medicina personalizada nos hospitais."

Graças aos supercomputadores, os cientistas conseguem visualizar, por exemplo, o fluxo de glóbulos vermelhos nas veias.

"Temos modelos grandes de artérias através dos quais percebemos o fluxo das células sanguíneas e onde há constrições. É sempre importante que os dados que se conseguem através dos cálculos sejam ilustrados e visualizados", sublinhou Gerald Mathias, gestor de aplicações de apoio no Centro de Supercomputação Leibniz.

O projeto do humano virtual ambiciona combater todas as doenças incluindo a Covid-19. Em simultâneo quer ajudar as pessoas, com um impacto positivo no estilo de vida.

O objetivo de criar um verdadeiro sósia virtual e de dar vida ao humano virtual é a força-motriz dos cientistas no futuro próximo. À Euronews Peter Coveney definiu a visão sobre o assunto: "A minha visão sobre o humano virtual é que é um princípio organizador para a medicina do século XXI e adiante."

Nome do jornalista • Pedro Sacadura

Partilhe esta notícia