Paciente de Düsseldorf é a quarta pessoa "curada" de HIV

O paciente referido como o "doente de Dusseldorf" estava a receber tratamento para uma leucemia -
O paciente referido como o "doente de Dusseldorf" estava a receber tratamento para uma leucemia -   -  Direitos de autor  Euronews
De  euronews

Será que o anúncio de mais um indivíduo livre de VIH significa que estamos mais próximos de uma cura para esta pandemia?

Na Alemanha, um homem de 53 anos tornou-se a última pessoa a ter sido "curada" do VIH (vírus da imunodeficiência humana), o vírus causador da SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), trazendo esperança aos cerca de 40 milhões de pessoas que vivem com a doença em todo o mundo.

O indivíduo, que está a ser referido como "o paciente de Dusseldorf" para proteger a sua identidade, é  a quarta pessoa até à data e o terceiro homem a ser considerado livre do vírus, de acordo com os investigadores.

Ele estava a ser tratado por leucemia - um tipo de cancro que afeta o sangue e a medula óssea, o tecido esponjoso dentro dos ossos onde são produzidas células sanguíneas - quando recebeu células estaminais resistentes ao VIH de um dador de medula.

O indivíduo em causa deixou de fazer terapia anti-retroviral (TAR) - o principal tratamento para o VIH - em 2018 e tem permanecido "vivo e de boa saúde" desde então.

Antes dele, dois pacientes de cancro caucasianos e do sexo masculino conhecidos respetivamente como o "paciente de Berlim" - Timothy Ray Brown - e o "paciente de Londres" - Adam Castillejo - foram curados do VIH após receberem os mesmos transplantes de células estaminais de medula óssea de uma pessoa com resistência genética ao VIH.

Até à data, não existe uma cura conhecida para o VIH, mas será que a notícia de que uma quarta pessoa que erradicou o vírus do seu corpo significa que tudo isso está prestes a mudar?

O doente de Berlim: o primeiro paciente curado?

Infelizmente, não é assim tão simples, mas há indícios que sugerem a existência de tratamentos que conseguiram inverter a doença.

O norte-americano Timothy Ray Brown ficou para a História como o primeiro indivíduo clinicamente curado do VIH.

Em 1995, estava a viver em Berlim quando soube que tinha contraído o vírus e em 2006 foi-lhe diagnosticada leucemia.

Foram necessários dois transplantes de células estaminais para o levar a uma remissão.
Em 2008, Brown foi declarado curado tanto do VIH como do cancro.

O seu caso foi aclamado como uma grande vitória, e em 2010 concordou em revelar a sua identidade, tornando-se uma figura pública. "Sou a prova viva de que pode haver uma cura para a SIDA", disse ele numa entrevista à AFP em 2012.

Infelizmente, em setembro de 2020, Ray Brown morreu de leucemia reincidente.

Os pacientes de Londres e Nova Iorque: Causa de esperança?

Enquanto Ray Brown era considerado um caso isolado, um tratamento idêntico foi aplicado ao paciente de Londres, Adam Castillo, um "chef" britânico originário da Venezuela de 43 anos de idade, que foi nomeado o segundo indivíduo no mundo a ser curado do VIH.

Após uma década de tratamentos brutais, Castillo tornou-se aquilo a que chamou "um embaixador da esperança".

Tal como a paciente de Dusseldorf, uma terceira paciente - uma mulher de meia-idade, mestiça, que entrou em remissão do HIV - manteve a sua privacidade e foi batizada de "paciente de Nova Iorque".

Esta paciente recebeu um tipo de tratamento diferente dos outros; em vez de células estaminais de medula óssea proveniente de dadores, recebeu células estaminais do cordão umbilical de um recém-nascido com imunidade natural ao VIH.

Em 2022, a mulher decidiu optar por não participar na terapia anti-retroviral, e decorridos mais de 14 meses, ainda não mostrava sinais de VIH. No entanto, a sua aparente remissão - que abriu o caminho a uma cura do VIH para uma maior variedade de pessoas que utilizam sangue de cordões umbilicais - é muitas vezes desacreditada depois de alguns investigadores advertirem que era demasiado cedo para se ter a certeza sobre este tratamento.

O 'paciente de Düsseldorf

Num estudo publicado recentemente na revista científica Nature, os cientistas revelaram-se otimistas perante a notícia de que o "doente de Düsseldorf" se havia tornado "pelo menos" na terceira pessoa com VIH a ser curada do vírus.

Durante anos, a terapia anti-retroviral tem sido administrada a pessoas com VIH para reduzir o vírus a níveis quase indetectáveis, impedindo a sua transmissão a outras pessoas.

Mas o sistema imunitário é suficientemente inteligente para manter o vírus isolado em reservatórios no corpo, e quando os doentes interrompem a terapia anti-retroviral, o vírus começa frequentemente a replicar-se e a espalhar-se.

Uma cura genuína eliminaria estes reservatórios, e é isto que os cientistas pensam que aconteceu com os três pacientes do sexo masculino: Düsseldorf, Berlim, e Londres.

Após exames subsequentes, os cientistas não conseguiram identificar anticorpos contra o vírus, o que é um sinal da sua actividade.

As células estaminais são o caminho a seguir?

Os cientistas dizem que os transplantes de células estaminais nunca serão um tratamento viável em termos de escala para o VIH, uma vez que são altamente invasivos e implicam demasiados riscos.

Embora os autores do estudo digam que o futuro das células estaminais resistentes ao VIH não é "nem de baixo risco nem um procedimento facilmente escalável", a sua relevância é realçada por relatórios recentes de remissão bem sucedida do VIH-1 a longo prazo após o recurso a este procedimento.

Mas a ciência por detrás de cada remissão completa conhecida até agora continua a ser importante.

Os cientistas pensam que mais investigação sobre esta abordagem "pode conter a promessa de uma cura para o VIH-1 fora do âmbito das doenças hematológicas malignas que ameaçam a vida", o que significa casos de cancro que começam em tecidos criadores de sangue, tais como leucemia e linfoma.

Dizem também que as observações feitas no caso do paciente de Dusseldorf poderiam fornecer "conhecimentos valiosos que, espera-se, guiarão futuras estratégias de cura".

A infeção pelo VIH é ainda incurável, mas pode ser controlada e mantida à distância com tratamentos anti-retrovirais. No entanto, dos quase 38 milhões de pessoas que vivem com o VIH em todo o mundo, 10 milhões não têm acesso ao tratamento.

Cura é fundamental para acabar com esta pandemia que dura há décadas

A Janssen Pharmaceuticals anunciou em Janeiro deste ano o fim do ensaio clínico da única vacina contra o VIH, que no entanto, os peritos consideraram não ser eficaz.

Mas "existem outras abordagens estratégicas", disse o Dr. Anthony Fauci, o funcionário responsável pela saúde pública norte-americana e que liderou a resposta dos Estados Unidos à pandemia da COVID-19.

Os cientistas afirmam que cada novo paciente curado do VIH através de um transplante de células de medula óssea é como enviar alguém num foguete para a Lua: trata-se de um grande feito científico, mas não é a forma como vamos todos viajar.

Notícias relacionadas