EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Número de casos do vírus de Powassan está a aumentar

O vírus de Powassan é transmitido por meio de picadas de carrapatos
O vírus de Powassan é transmitido por meio de picadas de carrapatos Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O número de casos do vírus de Powassan tem aumentado nos EUA e no Canadá. Uma investigação realizada pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale revelou que há uma alta concentração de casos no estado de Nova Iorque, Maine e Connecticut sobretudo.

PUBLICIDADE

A designação deve-se a uma cidade em Ontário, onde foi descoberto pela primeira vez na década de 1950. O número de casos do vírus de Powassan tem aumentado nos EUA e no Canadá.

Uma investigação realizada pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale revelou que há uma alta concentração de casos no estado de Nova Iorque, Maine e Connecticut sobretudo.

Mas o que é o vírus de Powassan - apelidado de "primo mortal da doença de Lyme" - e está realmente a tornar-se mais comum?

O que é o vírus de Powassan?

Muito parecido com a doença de Lyme, o vírus de Powassan é transmitido por meio de picadas de carrapatos. É predominantemente transmitido por carrapatos do género ixodes scapularis ou “carrapato de pernas pretas”.

Uma das principais preocupações com o vírus de Powassan em comparação com a doença de Lyme é a rapidez com que pode infetar as pessoas.

Embora o período de transmissão entre uma picada de carrapato e os humanos contraírem a doença de Lyme possa levar dois a três dias, o vírus de Powassan pode ocorrer em apenas 15 minutos, embora os sintomas geralmente não apareçam até uma semana a quatro semanas depois.

Quais são os sintomas do vírus de Powassan?

Na verdade, o vírus raramente é diagnosticado porque a maioria das pessoas que o tem não apresenta sintomas, mas para aqueles que os têm, eles podem ser graves. Vão desde febre, calafrios, fadiga, náuseas e rigidez, até convulsões e perda de memória e, num pequeno número de casos, pode ser fatal.

Por que é que Yale está a investigar isso agora?

A investigação mais recente sobre o vírus, conduzida pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale, começou em 2008 e foi concluída em 2019.

Chantal Vogels é investigadora do Departamento de Epidemiologia de Doenças Microbianas da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale e coautora do estudo.

Nos resultados publicados recentemente, Vogel explica que havia muito pouca informação genómica sobre o vírus Powassan até este último estudo.

“Fomos capazes de explorar os padrões de transmissão e espalhar e desvendar a ecologia do vírus”, diz. “É incrivelmente importante fazer vigilância para saber o que está aí fora”.

Quais foram os resultados da pesquisa?

A principal descoberta do estudo foi que o vírus está amplamente concentrado em áreas muito específicas.

Segundo o relatório, “o vírus agora parece estar a mover-se lentamente ou parado, a ferver em pontos críticos específicos e a evoluir de forma independente em cada um".

“Por exemplo, os cientistas não encontraram evidências de que clados separados do vírus estivessem a misturar-se numa extensão de 20 quilómetros”.

Observou-se também que houve, nos últimos anos, um aumento de diagnósticos.

Desde o primeiro caso em 1958 até cerca de 2006, foi detetado apenas um caso por ano. Mas desde o início de 2010, “dezenas de diagnósticos foram feitos quase todos os anos”, de acordo com o estudo.

O aumento de casos não é necessariamente preocupante.

O vírus de Powassan ainda é considerado uma doença “rara” e o aumento de casos é atribuído ao facto de os profissionais médicos estarem mais inclinados a verificar se há o vírus de Powassan e se os sintomas estão presentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Investigadores infetam 36 pessoas com COVID para compreender por que algumas têm menos probabilidades de contrair o vírus

Nova iniciativa com financiamento europeu quer aumentar produção de vacinas em África

Princesa de Gales fala sobre os tratamentos para o cancro: "Estou a fazer progressos"