Consumo de azeite pode reduzir o risco de morte por demência em 28%, sugere um estudo

Um novo estudo sugere que o azeite pode ajudar a reduzir o risco de morte por demência
Um novo estudo sugere que o azeite pode ajudar a reduzir o risco de morte por demência Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

No primeiro estudo do género, os cientistas descobriram que o azeite pode reduzir em 28% o risco de morte por demência.

PUBLICIDADE

Há muito que o azeite é apontado como um exemplo de "super alimento" que pode ajudar a viver mais tempo quando consumido no âmbito de uma dieta saudável.
Agora, um novo estudo sugere que o azeite pode ajudar a reduzir o risco de morte por  demência.

O estudo, realizado por investigadores de Harvard, surge numa altura em que muitos países enfrentam taxas crescentes da doença de Alzheimer e de outras formas de demência, num contexto de envelhecimento da população.

De acordo com os investigadores, a utilização de azeite em vez de gorduras como a margarina e a maionese comercial pode reduzir o risco de morte por demência.

A demência inclui uma série de condições que afetam a memória e outras habilidades mentais o suficiente para interferir na vida diária. Estas doenças são causadas por alterações físicas no cérebro, sendo a doença de Alzheimer o tipo mais comum.

No primeiro estudo a investigar a relação entre a alimentação e a morte relacionada com a demência, os cientistas analisaram os questionários alimentares e os registos de óbito de mais de 90 000 cidadãos americanos ao longo de três décadas. Destes, 4 749 foram registados como tendo morrido de demência.

Descobriram que aqueles que consumiam mais de meia colher de sopa de azeite de oliveira por dia tinham um risco 28% menor de morrer de demência em comparação com aqueles que nunca ou raramente consumiam azeite de oliveira.

O estudo mostrou como a substituição de uma única colher de chá de margarina ou maionese por azeite todos os dias também foi associada a um risco menor de morrer de demência entre 8 a 14 por cento.

"O nosso estudo reforça as diretrizes dietéticas que recomendam azeites vegetais como o azeite e sugere que essas recomendações não apenas apoiam a saúde do coração, mas também a saúde do cérebro ", disse Anne-Julie Tessier, pós-doutoranda da Escola de Saúde Pública Harvard TH Chan.

"Optar pelo azeite, um produto natural, em vez de gorduras como a margarina e a maionese comercial é uma escolha segura e pode reduzir o risco de demência fatal ".

Tessier apresentará os resultados no encontro anual da Sociedade Americana de Nutrição, que termina a 25 de julho em Boston.

O azeite é o único benefício para a saúde do cérebro?

Estudos anteriores sugeriram que as pessoas que usam azeite em vez de gorduras processadas ou animais tendem a ter dietas mais saudáveis e, potencialmente, melhores resultados de saúde. Alguns estudos associaram uma maior ingestão de azeite a um menor risco de doença cardíaca.

Para este estudo, Tessier observou que a relação entre o azeite e o risco de mortalidade por demência era independente da qualidade geral da dieta - o que pode sugerir que o azeite tem propriedades que são exclusivamente benéficas para a saúde do cérebro.

"Alguns compostos antioxidantes do azeite podem atravessar a barreira hematoencefálica, potencialmente tendo um efeito direto no cérebro ", disse Tessier. "Também é possível que o azeite tenha um efeito indireto na saúde do cérebro ao beneficiar a saúde cardiovascular".

A pesquisa nesta fase é observacional, no entanto, e Tessier advertiu que ainda não prova que o azeite é a causa da redução do risco de demência fatal.

Serão necessários mais estudos para confirmar o efeito, mas os investigadores disseram que o estudo reforça a evidência de que a utilização de azeite em vez de outras gorduras pode ajudar a apoiar uma dieta saudável.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro

Padre e alegado companheiro detidos em Espanha por venda ilegal de Viagra

Cientistas descobrem que tabaco tem impacto nocivo no sistema imunitário mesmo anos depois de se deixar de fumar