EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Fundação KickCancer diz que é urgente criar novos medicamentos para cancros pediátricos

Em parceria com The European Commission
Fundação KickCancer diz que é urgente criar novos medicamentos para cancros pediátricos
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Fundação KickCancer afirma que é urgente reforçar a investigação e o investimento para encontrar curas para os cancros pediátricos.

A diretora-geral da Fundação KickCancer afirma que os medicamentos e tratamentos contra o cancro infantil na União Europeia são insuficientes e falou-nos nas eventuais soluções.

"Os mecanismos do cancro nas crianças são diferentes dos mecanismos do cancro nos adultos. Mas, ainda assim, alguns tipos de cancro em adultos têm um mecanismo de ação que pode ser semelhante ao mecanismo de ação nas crianças. No entanto, estes medicamentos desenvolvidos para adultos não beneficiam as crianças. E este é um dos aspetos que esperamos resolver com a atual reforma da estratégia farmacêutica na legislação farmacêutica na Europa. Esperamos que, sempre que um novo medicamento seja desenvolvido para cancros em adultos, se verifique se esse medicamento pode ajudar os doentes jovens com cancro. E mesmo que o nome da doença seja diferente, defendemos que devem realizar-se bons ensaios clínicos para garantir que as crianças beneficiem desses novos medicamentos, para que mais crianças possam ser curadas. E queremos que beneficiem dos novos tratamentos desenvolvidos para o cancro, de tratamentos mais específicos e de tratamentos com menos efeitos secundários a longo prazo após o tratamento", sublinhou Delphine Heenen, fundadora e diretora-geral da Fundação Kickcancer.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

PME da Europa são as super-heroínas do medicamento mas pedem mais apoio face à concorrência global

Os medicamentos do futuro vão ser diferentes

Doenças raras: "O porquê é uma grande questão na medicina"