EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Na costa turca do Egeu, vive-se devagar

Na costa turca do Egeu, vive-se devagar
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Cinzia Rizzi
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vamos conhecer Seferihisar, primeira cidade turca inscrita na rede "Cittaslow", percorremos as vinhas e olivais circundantes de bicicleta e conhecemos a gastronomia local.

PUBLICIDADE

A costa do Egeu na Turquia é uma região onde pode experimentar a imersão na natureza, desfrutar de alimentos cultivados localmente e viver de forma sustentável. Seferihisar, localizada a cerca de 50 quilómetros de Esmirna, é uma das cidades mais pacíficas, históricas e bonitas da região. E é a primeira "Cittaslow" turca.

O melhor sítio para se afastar do caos da vida moderna

A Cittaslow - uma organização fundada em Itália há vinte e três anos e inspirada no movimento slow food - é uma rede de cidades e aldeias que se adaptam ao ritmo de vida lento e que tem por objetivo evitar o impacto da globalização nos costumes locais de uma região.

Seferihisar candidatou-se à rede em 2009, sob o tema "apoio aos produtores locais" e acabou por se tornar a primeira cidade slow da Turquia, ao cumprir todos os 70 critérios. A cidade tem quatro bazares semanais. Um deles é o famoso Bazar Sığacık.

Aqui, tudo o que se compra é 100% local. A energia limpa é preferida e os candeeiros de rua são alimentados por energia solar. Ao longo dos anos, Seferihisar implementou muitos programas inovadores como uma cidade lenta. A gaveta ainda está cheia de projetos, como nos explica Candaş Balta, coordenador da Cittaslow Seferihisar: "O projeto mais importante é, na verdade, um projeto agrícola. Temos muitas - mais de 200 tipos diferentes - sementes locais, desde tomates a pimentos. Por isso, criámos alguns bancos de sementes e reunimos todas as sementes locais neste banco e partilhamo-las com as pessoas que vivem em Seferihisar neste momento. Também as partilhamos na rede internacional Cittaslow", diz.

Sem dúvida, uma das melhores e mais ecológicas formas de visitar a região é de bicicleta. A costa turca do Egeu é um paraíso para os ciclistas. Pode pedalar entre as suas aldeias e cidades históricas, belas linhas costeiras e campos rurais. As ciclovias são criadas especialmente para os ciclistas. Uma secção da EuroVelo 8 - uma rota de quase 6.000 quilómetros de comprimento que cobre 11 países - passa por aqui. E é impossível não reparar na multitude de oliveiras, consideradas míticas e sagradas na Turquia, um dos principais produtores de azeite do mundo.

A região perfeita para o cultivo de azeitonas e uvas

Estamos no coração de Urla, a poucos quilómetros de Seferihisar, onde a história da produção de azeite é tão antiga como a própria civilização. Diz-se que a sua antiga cidade albergou a mais antiga oficina de azeite do mundo... no século VI a.C.!

"A cultura da oliveira não é apenas importante em termos de agricultura, está também no nosso sangue num sentido cultural e social, e é uma árvore sagrada", diz Duygu Özerson Elakdar, proprietária da Hiç Olive Oil. "Atualmente, as azeitonas são cultivadas em todas as regiões da Turquia. Estão registadas 96 variedades de azeitonas no nosso país. Todos os aromas e paletas de sabores únicos destas variedades constituem uma extensa e rica biblioteca de azeitonas", conta.

Para ajudar a compreender a importância deste produto em Urla, a cozinha local oferece pratos chamados Zeytinyağlılar, que significa literalmente "aqueles feitos com azeite". "É impossível pensar em cozinhar algo sem usar azeite. Especialmente se você estiver falando sobre Urla. Tudo em Urla é feito com azeite. Isso é indiscutível", diz Duygu.

Esta não é a época certa para a apanha da azeitona, mas há outros produtos silvestres que vale a pena colher. As plantas silvestres comestíveis são tradicionalmente utilizadas na cozinha urla há séculos e estão muito bem integradas na cultura culinária de Urla.

Em Urla, é comum não só utilizar as folhas das ervas selvagens na cozinha, mas também as suas raízes, flores e sementes, abordando a situação com uma perspetiva gastronómica futurista.

Há outro produto cultivado localmente que combina muito bem com pratos de azeite. Estamos a falar de vinho. Urla tem uma longa história de produção de vinho, utilizando uvas regionais da Anatólia e os conhecimentos transmitidos de geração em geração.

"Como todas as zonas do mundo que são boas para a produção de vinho, a Anatólia é considerada uma região quente. É um clima mediterrânico", explica-nos Bilge Benigisu Oğunlu, proprietário da Urlice Wines. "Temos muitos dias de sol, sem nuvens e temos um solo calcário que mantém a humidade, preserva-a e permite fazer agricultura de sequeiro. Não é necessário regar e os vinhos serão vibrantes mesmo em setembro e novembro".

A proximidade do mar também desempenha um papel importante: "Estamos muito perto do mar. Recebemos ventos do norte, ventos refrescantes, e também recebemos ventos do sul. Portanto, isto é como uma península e é por isso que nos permite fazer vinho num clima tão quente", explica Bilge.

Aqui podem encontrar-se vinhos premiados feitos a partir de uvas com seis mil anos de história. A colheita da uva é celebrada no Festival Anual da Vindima de Urla, que dura dois dias e inclui a pisa da uva, atuações ao vivo e muitas outras atividades com participantes de todo o mundo.

E se ainda não está convencido das credenciais vinícolas da região, ao virar da esquina, encontrará as ruínas da antiga cidade de Teos, onde se encontra o templo dedicado a Diónisos, o antigo deus grego do vinho.

Partilhe esta notícia