EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Liberdade, viagens e impostos: nómadas digitais revelam os melhores (e os piores) aspetos do seu estilo de vida

Os nómadas digitais viajam de um local para outro, trabalhando à distância, utilizando a tecnologia e a Internet.
Os nómadas digitais viajam de um local para outro, trabalhando à distância, utilizando a tecnologia e a Internet. Direitos de autor coworkingbansko
Direitos de autor coworkingbansko
De  Rebecca Ann Hughes
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma das melhores formas de obter informações sobre como se tornar um nómada digital é falar com quem já o fez antes.

PUBLICIDADE

Se tem curiosidade em tornar-se um nómada digital, é provável que tenha muitas perguntas sobre como funciona.

Desde como pagar impostos até onde encontrar alojamento, há muito a considerar antes de se lançar neste estilo de vida.

Os nómadas digitais viajam de um local para outro, trabalhando à distância, utilizando a tecnologia e a Internet.

Uma das melhores formas de obter informações é falar com quem tem experiência como nómada digital.

Felizmente, a plataforma de alojamento Flatio fez uma pesquisa para o ajudar.

A empresa questionou 1200 nómadas digitais de diferentes idades, géneros e nacionalidades sobre as suas frustrações, motivações e destinos favoritos.

Eis o que o relatório de 2023 revela sobre o trabalho, o estilo de vida e a demografia.

De onde vem a maioria dos nómadas digitais?

O relatório da Flatio inclui informações sobre os dados demográficos dos nómadas digitais.

Entre os inquiridos, a maior percentagem é dos EUA (37%), seguida do Reino Unido (12%) e da Alemanha (5%).

Pouco mais de metade dos nómadas digitais têm entre os 30 e os 39 anos e quase 23% têm entre 18 e 29 anos.

O género é razoavelmente equilibrado, com 55% de homens e 44% de mulheres.

Como é que os nómadas digitais escolhem um destino?

O relatório revelou que o fator mais importante para os nómadas digitais na escolha de um novo destino é o custo - quase metade dos inquiridos classificou este fator como o mais importante.

Outros aspetos que consideram são a luz do sol, a segurança, a qualidade do wi-fi e os serviços de saúde.

Portugal é o destino mais popular para os nómadas digitais, seguido da Tailândia, Espanha e Argentina.

Quando questionados sobre os destinos que os nómadas digitais gostariam de visitar a seguir, Espanha ficou em primeiro lugar, à frente do Brasil, da Madeira e do Sri Lanka.

Que tipo de trabalho fazem os nómadas digitais?

O inquérito da Flatio revelou que pouco mais de um terço dos nómadas digitais são freelancers, pouco menos de um terço estão empregados a tempo inteiro e cerca de 13% são empresários ou proprietários de empresas.

Marvin Meyer
Pouco mais de metade dos nómadas digitais tem entre 30 e 39 anos e quase 23% tem entre 18 e 29 anos.Marvin Meyer

Tecnologias da informação e media, publicidade, relações públicas e marketing foram os setores industriais mais comuns, seguidos de empreendedorismo e artes, cultura e entretenimento.

Quanto é preciso ganhar por mês para ser um nómada digital?

Dos inquiridos, pouco mais de 25% afirmam que é preciso ganhar entre 3 mil e 3 900 euros por mês para ser um nómada digital.

PUBLICIDADE

Pouco mais de 20 por cento optaram pelo escalão entre os 2 mil e 2 900 euros e 18 por cento afirmam que os nómadas digitais precisam de ganhar entre 4 mil e 4 900 euros.

Onde é que os nómadas digitais costumam pagar impostos?

A maioria (66%) dos nómadas digitais inquiridos afirma que paga impostos no seu país de origem. Apenas 19,4% pagam impostos num país diferente.

Qual é a parte mais difícil de ser um nómada digital?

O relatório da Flatio revelou que os nómadas digitais classificam a procura de alojamento como a parte mais frustrante do seu estilo de vida.

Os inquiridos sublinharam que tendem a procurar alojamento no Airbnb, booking.com e grupos do Facebook.

Os apartamentos privados e os quartos de hotel são a escolha de alojamento mais comum, seguidos dos quartos privados e dos hostels.

PUBLICIDADE

Um quarto dos inquiridos gasta 501 a 700 euros por mês em aluguer e pouco menos de 20% gasta 301 a 500 euros.

Encontrar amigos e conhecer pessoas é a segunda parte mais difícil de ser um nómada digital. As questões fiscais foram votadas em terceiro lugar.

Quais são as vantagens dos vistos para nómadas digitais?

O grupo inquirido dividiu-se de forma bastante equilibrada no que diz respeito aos vistos para nómadas digitais. Pouco mais de 46% dizem que os utilizam, enquanto 44% não os utilizam.

Mais de 60% consideram que são benéficos, enquanto 15% acreditam que precisam de ser trabalhados e 7% não os consideram úteis.

Quando questionados sobre os vistos para nómadas digitais de Espanha e Portugal, em particular, cerca de 60% dos inquiridos afirmam que são benéficos.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Solteiros são os mais afetados por uma crise de custo de vida

Itália, Eslovénia e Croácia: Nova linha de comboio oferece uma aventura ferroviária por apenas 8 euros

Cafés na Europa estão fartos de nómadas digitais que ocupam muito espaço