EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Porque não apanhar o comboio? Os especialistas dizem o que é necessário para que mais europeus deixem de voar

Os comboios são muito melhores para o ambiente do que os voos, mas também são muito mais caros.
Os comboios são muito melhores para o ambiente do que os voos, mas também são muito mais caros. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Ian Smith
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Skyscanner para comboios e tempos de viagem mais curtos são apenas duas das melhorias necessárias.

PUBLICIDADE

Anna Pagani não é alheia a longas viagens. Gastou milhares de euros e inúmeras horas a atravessar as linhas de comboio da Europa desde que, há alguns anos, se comprometeu a não viajar de avião.

Uma decisão que tem sido "mais difícil do que deveria ser".

"Planear viagens de comboio requer tempo, paciência e dinheiro", diz à Euronews Travel.

Vive em Londres, mas viaja frequentemente para a sua Itália natal e para a Áustria para visitar a família do seu companheiro.

Para além disso, o seu trabalho como investigadora exige que vá a conferências espalhadas por todo o continente.

"No geral, é muito aprender fazendo", confessa. "Por vezes, o meu avião para Turim custava 9 euros e eu pagava mais de 250 euros pelo comboio".

Porque é que os voos são mais baratos do que os comboios?

É uma experiência com a qual muitos se podem identificar quando se trata de escolher entre apanhar um comboio ou um avião.

Um relatório da Greenpeace publicado no ano passado concluiu que os bilhetes de comboio são, em média, duas vezes mais caros do que os de avião. A análise incidiu sobre 112 rotas na Europa e descobriu que, em algumas rotas como Londres-Barcelona, o comboio custava 30 vezes mais.

"O preço é fundamental", admite o Dr. Alberto Mazzola quando questionado sobre a forma de aumentar o número de passageiros dos comboios. É diretor executivo da Comunidade das Empresas Ferroviárias e de Infra-estruturas Europeias (CER), um grupo de defesa que representa as empresas ferroviárias europeias.

Mazzola considera que os comboios são tratados de forma diferente dos sectores rodoviário e aéreo. Diz que estes sectores beneficiam de regimes fiscais preferenciais, apontando exemplos como o facto de as companhias aéreas não terem de pagar impostos sobre o querosene e de os bilhetes para voos internacionais estarem isentos de IVA.

Para resolver estas disparidades, a CER quer que a UE crie regras que garantam uma concorrência leal entre comboios, aviões e outros tipos de transporte.

Mazzola também quer que a duração das viagens seja abordada. "Se demorar 18 horas, muito poucos apanharão o comboio", afirma. O eurodeputado defende que a UE deve aumentar o financiamento das infra-estruturas para criar ligações ferroviárias de alta velocidade entre as principais cidades europeias.

Qual é a popularidade dos comboios na Europa?

Apesar destes desafios, os comboios estão a passar por uma espécie de renascimento na Europa. O número de passageiros aumentou 10% na década que antecedeu a pandemia, os comboios noturnos estão a regressar e os viajantes anseiam por opções de viagem mais sustentáveis.

No entanto, um relatório da Comissão Europeia concluiu que o número total de serviços transfronteiriços de passageiros de longa distância na UE permaneceu o mesmo entre 2001 e 2019 e que, em geral, estes serviços representam apenas cerca de 7% das viagens de comboio na Europa.

Para ajudar a aumentar estes números, Victor Thévenet, gestor da política ferroviária da ONG de mobilidade sustentável Transport and Environment, insiste que o planeamento de uma viagem de comboio tem de ser muito mais simples.

"As pessoas precisam de poder combinar diferentes operadores ferroviários e, para isso, é necessário ter os diferentes bilhetes num único bilhete", diz à Euronews Travel.

Comprar bilhetes de comboio na Europa pode ser complicado

Atualmente, não existe um equivalente do Skyscanner para os comboios. Isto torna a reserva e a gestão das viagens de comboio internacionais difíceis e muitas vezes mais caras.

A UE tem um plano para remediar a situação sob a forma de legislação relativa aos serviços de mobilidade digital multimodal. O projeto foi adiado no ano passado, mas espera-se que lhe seja dada uma nova oportunidade no início de 2025.

PUBLICIDADE

A legislação criaria uma plataforma onde se poderia comprar um bilhete para toda uma viagem transfronteiriça, em vez de ter de passar por vários operadores nacionais separadamente, e daria aos passageiros direitos mais fortes se perdessem um comboio de ligação.

Mas, de momento, os sinais de algumas empresas não dão confiança aos entusiastas dos caminhos-de-ferro. Desde 23 de maio, a companhia ferroviária francesa SNCF suspendeu a venda de alguns bilhetes internacionais no seu sítio Web, como o de Paris para Berlim. A empresa afirma que tal se deve a "uma alteração em curso no sistema de reservas". Em comunicado enviado à Euronews Travel, a empresa afirma "Serão introduzidas melhorias a partir do outono de 2024, antes de um novo sistema ser lançado em 2025".

A UE pode ajudar a melhorar as viagens transfronteiriças

Com os caminhos-de-ferro europeus num momento crucial, as eleições europeias da próxima semana podem ser decisivas para o futuro dos caminhos-de-ferro transfronteiriços.

Durante o último mandato, a UE fez alguns progressos para melhorar a situação, financiando bilhetes climáticos e projectos de infra-estruturas e promovendo ligações ferroviárias de alta velocidade. Mas os defensores dos caminhos-de-ferro afirmam que há muito mais a fazer e que os eurodeputados podem desempenhar um papel fundamental, exercendo pressão sobre a Comissão e alterando a legislação.

Os eurodeputados podem desempenhar um papel fundamental, exercendo pressão sobre a Comissão Europeia e alterando a legislação. Os grupos de defesa dos caminhos-de-ferro receiam que o financiamento seja difícil de obter, dependendo da composição do próximo Parlamento e da próxima Comissão, devido à reação negativa ao Pacto Ecológico Europeu e à ascensão da extrema-direita.

PUBLICIDADE

"Os cidadãos europeus que se preocupam verdadeiramente com a melhoria dos caminhos-de-ferro devem votar nos partidos mais ambiciosos no que respeita à definição de uma agenda ecológica progressiva e ambiciosa", considera Thévenet.

Apesar dos problemas actuais com as viagens de comboio, entusiastas como Anna Pagani mantêm o seu amor pelos caminhos-de-ferro.

"É a sensação de alegria quando chego a um destino, cruzando paisagens e línguas, evitando o carro, desfrutando da viagem", diz.

"Apanho aviões quando a duração da viagem ou outros obstáculos me impedem de apanhar um comboio. Mas adoraria viver num mundo onde essas barreiras não existissem".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acrópole de Atenas encerrada devido à vaga de calor que assola a Grécia: O que os viajantes precisam de saber

Alemanha, Itália e Reino Unido: quais os países europeus que mais gastaram em turismo no ano passado?

Os custos dos vistos Schengen de curta duração vão aumentar a partir de junho: Eis o que precisa de saber