Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

FMI revê em alta o crescimento da economia mundial

FMI revê em alta o crescimento da economia mundial
Tamanho do texto Aa Aa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em alta as previsões de crescimento da economia mundial. Desde janeiro, a organização dirigida por Christine Lagarde afirma ter havido melhorias, mas avisa que os riscos ainda são elevados e ameaçam a retoma.

O FMI prevê um crescimento mundial de 3,5% este ano e 4,1 no próximo, mas com diferença entre regiões.

A zona euro deverá sofrer uma recessão menos forte este ano, de 0,3 por cento, e voltar a crescer no próximo (0,9%). Já os Estados Unidos vão manter o dinamismo acima dos dois por cento. O Japão deverá crescer 2% este ano, com o prolongar da reconstrução, e desacelerar ligeiramente no próximo.

O FMI alerta para os riscos que continuam a pairar sobre a economia mundial, a começar pela ameaça de nova crise da dívida na Europa e os elevados preços do petróleo.

No caso da Europa, desde setembro a situação agravou-se fortemente. De 1,1% previsto de crescimento, a zona euro caiu para uma recessão de 0,3 por cento. A instituição elogia as medidas tomadas para superar a crise, mas considera-as insuficientes.

As previsões serão também diferentes para cada país. Itália deverá sofrer uma forte contração do PIB este ano e continuar no próximo, enquanto a Alemanha e a França escapam à recessão, mas não ficarão imunes.

Quanto ao emprego, o Fundo Monetário Internacional aponta para uma ligeira subida na zona euro, para uma taxa próxima de 11 por cento, e deixa um apelo ao BCE para
continuar a flexibilizar a política monetária.

A euronews falou com Jörg Decressin, chefe do departamento europeu do FMI, em Washington.

Stefan Grobe, euronews: Vimos uma certa calma regressar aos mercados à medida que os governos da zona euro avançavam com a austeridade e as reformas fiscais. Já ultrapassamos o pior da crise do euro ou a situação de Espanha e Itália pode provocar uma nova escalada da crise?

Jörg Decressin, FMI: Os riscos continuam a ser muito elevados. Nas nossas perspetivas económicas mundiais desenhamos um cenário de queda que explica como uma nova intensificação dos riscos iriam afetar a zona euro tal como o resto do mundo. Isso mostra que, se há um novo agravamento da crise, muitos países serão afetados.

euronews: Há o risco forte de contágio ao resto da Europa e mesmo fora das fronteiras europeias? Qual é a situação? A zona euro está a penalizar a economia mundial?

J. Decressin: Há vários canais através dos quais a zona euro está a contagiar o resto do mundo. Em primeiro lugar, muitos governos europeus estão a implementar duros planos de consolidação fiscal. São necessários, mas estão também a reduzir o crescimento a curto prazo e, logo, a reduzir as importações da zona euro do resto do mundo e isso afecta o crescimento de outros países. Em segundo, os bancos europeus estão também a tentar reconstruir o capital e a reduzir o crédito e outros ativos. Para isso estão a vender ativos em todo o mundo, reduzem também os créditos noutros países para melhorar a qualidade dos portfolios a longo prazo. E isto pesa também sobre o crescimento mundial.

euronews: Dê-nos uma visão dos casos grego e português. Os programas da troika estão a funcionar? Qual é o impacto na economia desses países e quais são as perspetivas de crescimento?

J. Decressin: Os programas funcionam. A situação ainda é bastante desafiante na Grécia. Em Portugal o programa avança sem percalços. O sucesso dos programas pode ser visto em vários indicadores. Primeiro, pode-se ver que os défices desses países estão a baixar de forma considerável. Segundo, vê-se que a inflação está também a baixar de forma considerável e em terceiro, vê-se o défice da conta corrente baixa também consideravelmente.

euronews: Muito do apoio ao crescimento vem da política monetária. O Banco Central Europeu (BCE) deveria injetar mais dinheiro no sistema financeiro para resolver problemas de fundos e liquidez dos bancos, mesmo se a Alemanha é contra?

J. Decressin: As políticas do BCE têm sido certamente decisivas, sobretudo, os empréstimos a longo prazo que têm sido levados a cabo. Acreditamos que o BCE deve estar pronto a implementar mais medidas semelhantes, se e quando forem precisas. Devem estar também prontos a intervir no mercado obrigacionista com o objetivo de manter as taxas baixas e assim facilitar o fluxo da política monetária para a economia real.