Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidente moldavo quer adesão à UE "num prazo razoável"

Presidente moldavo quer adesão à UE "num prazo razoável"
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de três anos de impasse político, Nicolae Timofti foi eleito Presidente da Moldávia, em março. Pela frente tem a resolução das tensões com a Transnístria, a autoproclamada república separatista. O assunto está no centro das chamadas conversações dos “5+2” entre a Transnístria, a Moldávia, a Ucrânia, a Rússia e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), mais os Estados Unidos e a União Europeia.

Rudolf Herbert, euronews: “A minha primeira pergunta é sobre o facto de esta ser a sua primeira visita ao estrangeiro. Por que é que veio a Bruxelas?”

Nicolae Timofti, Presidente da República da Moldávia: “Nós, todos os cidadãos da República da Moldávia, devemos reunir-nos em torno de uma ideia. Essa ideia deve ser a integração europeia.”

euronews: “O que significa a Europa para o seu país?”

Nicolae Timofti: “Em primeiro lugar, a Europa significa o respeito pelos direitos humanos, o relançar de uma economia baseada na concorrência e o respeito pelo direito de propriedade.”

euronews: “Não há uma contradição entre o facto da República da Moldávia ser ainda um membro da Comunidade de Estados Independentes e, por outro lado, estar a dar grandes passos em direção à Europa?”

Nicolae Timofti: “Não diria que há uma contradição, prefiro falar sobre um claro objetivo do governo atual e da nossa nação. Não é uma coincidência que centenas de milhares de moldavos estejam a trabalhar nos países europeus. Também gostaria de dizer que lamento o facto que muitos deles aí cheguem de forma clandestina. Temos noção disso, os países onde os nossos cidadãos estão a trabalhar também o sabem. Gostaríamos de alterar as condições para que eles não precisem de se esconder e não tentem outras soluções a não ser as legais.”

euronews: “As negociações sobre o acordo de associação entre o seu país e a União Europeia estão a avançar?”

Nicolae Timofti: “A República da Moldávia é concreta e está a avançar rapidamente para cumprir os deveres tendo em vista a adesão.”

euronews: “Quando espera assinar o acordo?”

Nicolae Timofti: “Espero que isso aconteça em breve, mas sou realista e sei que não vai acontecer no próximo ano ou nos próximos anos. Espero que seja dentro de um prazo razoável.”

euronews: “Falemos de outro assunto: a Transnístria. Como é que este problema pode ser resolvido?”

Nicolae Timofti: “O problema vai ser resolvido nos encontros do chamado “5+2”. Esperamos que o conflito seja resolvido apenas de forma pacífica.”

euronews: “Quais são as raízes do conflito?”

Nicolae Timofti: “Creio que são os interesses políticos de alguns estados, entre os quais, a Rússia.”

euronews: “Quem o está a ajudar a resolver o conflito?”

Nicolae Timofti: “Temos a ajuda da União Europeia, dos Estados Unidos e de alguns países que estão interessados num clima de paz nesta zona da Europa.”

euronews: “Acredita que ainda vai demorar muito tempo até ser encontrada uma solução para este conflito?”

Nicolae Timofti: “Recentemente, houve bons sinais de um regresso ao entendimento e cooperação com a República Moldava do Dniestre. Há pouco tempo, o nosso primeiro-ministro reabriu o transporte ferroviário de mercadorias.”

euronews: “Não tem medo que a Transnístria possa transformar o seu país numa região semelhante à que a Ossétia do Sul é para a Geórgia?”

Nicolae Timofti: “Não faria essa comparação porque estamos em zonas geográficas diferentes.”

euronews: “Tem havido notícias a indicar que a Rússia pode instalar um radar na Transnístria se a NATO instalar elementos de um sistema de defesa antimísseis na Roménia. Quer comentar estas noticias?”

Nicolae Timofti: “Depois de um encontro que tive com o vice-primeiro-ministro russo Rogozin, li que ele poderá ter feito essas declarações. Durante as conversações, ele não fez esse comentário. Quando a informação do que alegadamente ele disse foi publicada, Rogozin negou ter feito tais declarações. Na verdade, durante as conversações nunca colocou o problema nestes moldes.”

euronews: “É difícil ser Presidente de um país que tem de lutar contra a pobreza e vários outros problemas?”

Nicolae Timofti: “Claro que não é fácil. É muito difícil mas assumi esta responsabilidade para ajudar a combater o problema da pobreza. Gostaria de contribuir para elevar o nível de vida da minha nação.”