A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

José Carlos Diez "esperamos que haja vida inteligente na Europa"

José Carlos Diez "esperamos que haja vida inteligente na Europa"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Bankia terceiro banco espanhol, em termos de ativos, (congrega diversos bancos que já estavam em situação difícil) tornou-se o símbolo e acelerador da crise da dívida em Espanha. Foi graças a este banco e às necessidades de recapitalização que emergiram as fragilidades de todo o sistema bancário.

As necessidades de recapitalização dos bancos espanhois variam entre 60 e 200 mil milhões de euros, segundo os analistas.

Só no Bankia, o Estado deve injectar entre 23 mil e 500 mil milhões de euros, mais do que suficiente para semear o pânico nos mercados financeiros que tinham em mente outro montante, anunciado em 26 de maio pelo novo presidente do Bankia, José Ignacio Goirigolzarri:

“- Estamos a falar de 19 mil milhões e estamos a falar de capital, de capital.”

Mas desde então, a tensão por causa da dívida espanhola não dexou de aumentar, propulsando os juros a percentagens tão elevadas que o país não pode financiar.

Ontem, o ministro das Finanças, Cristobal Montoro, fez declarações numa rádio que deram a volta ao mundo:

“- A porta dos mercados não está aberta para a Espanha”.

“- Os homens de negro não virão a Espanha porque, de um posto de vista técnico, não é possível salvar Espanha.”

Espanha é a quarta economia da zona euro representa 12% do PIB total da Zona Euro, enquanto a Irlanda, Portugal e a Grécia juntos representam apenas 6%.

Vendo o custo do resgate destes três países, imaginar o resgate de Espanha dá vertigens.

No sábado, uma vez mais, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, enviou uma dupla mensagem; aos mercados e os parceiros do euro.

“- Não estamos à beira de nenhum precipício, senhoras e senhores, essa não é a realidade. Espanha sairá da tormenta com os próprios esforços e com o apoio dos parceiros comunitários.”

Ontem, no Senado espanhol, Rajoy pediu pela primeira vez os eurobonds, que tinha recusado até agora:

“- A Europa precisa dizer para onde vai e transmitir segurança, precisa dizer que o euro é um projecto irreversível e que não está em jogo, precisa apoiar os que estão em dificuldades; precisa de uma integração fiscal, com uma autoridade fiscal, e uma integração bancária, uma união bancária com eurobonds, com um supervisor bancário e com um fundo de garantia de depositos europeu.”

Mas o presidente do governo espanhol não quer intervenção, apenas a liquidez sem quaisquer restrições, uma proposta que surpreende o líder da oposição socialista Alfredo Pérez Rubalcaba:

“- Se há fundos europeus logicamente haverá uma condicionante europeia, ou seja, estes fundos europeus vão ter alguma contrapartida, e essa contrapartida vamos ter de a discutir a fundo.”

Berlim já deu sinal aceitar o pedido de Rajoy: financiamento sem condições.

Para análise da crise espanhola,
Vicenç Batalla, da euronews, solicitou a análise a José Carlos Díez, editor chefe de economia do Intermoney, em Madrid.

euronews – A estratégia do governo espanhol é tentar obter uma injeção de dinheiro nos bancos sem ter de sofrer intervenções como Estado. O governo alemão quer que o governo espanhol peça ajuda mas atroco da intervenção. Estarão os europeus dispostos a dinheiro sem qualquer intervenção?

José Carlos Díez – Por enquanto o fundo que está operacional é o fundo europeu de estabilização financeira: os estatutos dizem que tem de emprestar aos Estados, e os Estados aceitam certas condições. Mas são condições específicas. Tudo depende de como são definidas. Podem ser fortes, como no caso de Portugal e da Irlanda, ou podem ser mais suaves e mais concentradas nos bancos, depende da Troika e dos parceiros europeus.

euronews – A situação em Espanha é motivo de preocupação em todo mundo. Por exemplo, o diário francês ‘Libération’ fez manchete com um SOS Espanha, com a moeda do euro em fundo. De quanto dinheiro vai precisar a banca espanhola?

José Carlos Díez – Os três grandes bancos espanhois, Santander, BBVA e A Caixa, constituem metade do sistema bancário espanhol e não vão precisar de ajudas. Em relação à outra metade, a ajuda deve focar-se num terço dos bancos, como referiu o FMI. Não se conhecem exatamente os números, teremos a análise em breve, mas devemos estar a falar mais ou menos de uns 50, 60 mil milhões de euros, incluindo já as ajudas dadas ao Bankia, que é o maior banco com mais necessidades.

euronews – A Comissão Europeia prepara um plano onde fala de união bancária e financeira. Mas isso supõe um acordo da Alemanha, que tem estado contra. Será que a pressão vai funcionar com a chanceler, Angela Merkel?

José Carlos Díez – Para bem de toda Europa, esperemos que sim. O problema é que, no meio de tanta incerteza, é uma boa luz e um sinal aos investidores internacionais de que o projecto europeu se mantem, num momento em que se fala do fim do euro O sinal é positivo. mas não é uma solução a curto prazo. Tem tem de ir à cimeira, ser aprovado, passar pelos Parlamentos nacionais, voltar ao Parlamento Europeu…estamos a falar de muitos meses. A situação nos mercados é crítica. Os títulos da dívida espanhola, assim comos os títulos italianos, estão a ser observados com precaução. O Banco Central Europeu não compra títulos no mercado secundário há meses. Esta tensão não pode continuar, algo terá de acontecer, e esperamos que haja vida inteligente na Europa para nos anteciparmos ao evento.

euronews – Podemos comparar o caso espanhol com o grego?

José Carlos Díez – As comparações são odiosas, mas um xeque árabe pode vir à Europa e fazer duas coisas: pode comprar a Telefónica ou a Inditex, uma de nossas grandes empresas; ou, com esse mesmo dinheiro, comprar toda a dívida grega e ainda lhe sobrar muito. Acho que comparar a Espanha com a Grécia é algo absurdo… mas, pelo menos, os Irmãos Marx tinham graça.