Última hora
This content is not available in your region

Entrevista com Luis Moreno Ocampo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Entrevista com Luis Moreno Ocampo
Tamanho do texto Aa Aa

O Estatuto de Roma, assinado atualmente por mais de 120 países, estabeleceu em 1998 o TPI.
Teve de esperar até 2002 apara abrir as portas como o primeiro tribunal permanente para julgar crimes de guerra, contra a humanidade, genocídio e agressão.
Luis Moreno Ocampo é procurador-geral há nove anos e falou connosco antes de partir de Haia.

Raquel Alvarez: Luis Moreno Ocampo, o senhor vai abandonar o cargo de procurador-geral do Tribunal Penal Internacional numa altura em que o TPI vai fazer dez anos. Sai com o sentimento de missão cumprida?

Luis Moreno Ocampo: Acho que sim. Este Tribunal é semelhante ao tribunal de Nuremberga que julgou os crimes de guerra, mas trabalha para o futuro. Pusemo-lo a funcionar e agora funciona, por isso completámos um ciclo, uma fase.

RA: Em várias ocasiões, o senhor recordou que quando chegou só trabalhavam 3 pessoas no seu gabinete. O que é que mudou de então para cá?

LMO:Quando cheguei já havia 18 juízes à espera das minhas investigações. Tinha três funcionários no meu gabinete, e seis andares vazios. Estava tudo por fazer, para ser inventado.
Fatu Bensouda (a nova Procuradora-Geral) vai ficar encarregada de um gabinete com 300 pessoas experientes que trabalham com métodos eficientes e claros. Termina um julgamento dois outros estão em curso e preparam-se muitos outros. O gabinete trabalha ao melhor nível e está completo.

RA:O senhor conhece muito bem quem o vai substituir. Trabalharam juntos. É uma mulher e é Africana. Quais são os desafios que ela vai enfrentar?

LMO: Fatu herda não só um gabinete bem equipado, mas também um mundo muito mais consciente do poder da lei e que vem ao nosso encontro com mais intensidade.

O ser mulher é um aspeto interessante, porque este é um mundo novo, onde uma mulher abre novas perspetivas.
Neste momento existem muitas mulheres com poder. Creio que se elas se ligarem entre si irão ser uma alternativa extremamente interessante.

RA: O TPI nasceu sem os Estados Unidos, a Rússia e a China assinarem o Estatuto de Roma, que é a espinha dorsal do Tribunal, pelo que não são obrigados a reconhecer a atividade do TPI. Isso limita a sua legitimidade?

LMO: Não. Pelo contrário. O facto de os países mais poderosos não fazerem parte do TPI é em si um sinal da legitimidade do TPI.
O Tribunal deve proteger os fracos, e não os fortes. Quando os países poderosos receiam integrá-lo provando que o Tribunal funciona bem.
É uma questão de tempo. Quando comecei todos nos hostilizavam. Dois anos depois, o Conselho de Segurança aceitou levar o caso de Darfur perante o Tribunal.
O ano passado, votaram por unanimidade a intervenção do Tribunal, e pediram-nos para intervir na Líbia. As coisas estão a mudar. Fomos aceites. Os países que não integram o TPI provam que o Tribunal funciona. É por medo que não se querem integrar. A ausência deles prova a grande legitimidade do Tribunal.

RA: A mais forte crítica que lhe fazem – sabe isso – é a “distribuição geográfica”. Todos os seus
casos em aberto são da África.

LMO: Quando o presidente Bashir foi acusado de genocídio, tentou justificar-se dizendo que nos focávamos demasiado em África.
É incrível. Parece que há quem acredite nele. As pessoas, os jornalistas, questionam o “desvio” para África, mas não para o Darfur.
O problema é que o presidente Bashir foi acusado de genocídio no Darfur. Em vez de se discutir sobre isso, desvia-se a atenção para a África. Eu nunca falo da África exceto quando falo sobre o genocídio do Darfur.

RA: O caso Al Bashir é também um exemplo dos desafios que o Tribunal tem de enfrentar. O presidente sudanês deslocou-se livremente por
vários países e ninguém o prendeu.

LMO: Isso é um desafio para os países, para o Conselho de Segurança. São eles têm de encontrar uma solução.

Neste momento Bashir é um fugitivo. O Malawi, por exemplo, negou-lhe a entrada no país. Muitos outros países também negaram.
Bashir vai para onde está a salvo de ser preso. Escolhe bem para onde vai.
O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia
acusou 161 pessoas. Sabe quantas foram apanhadas? Cinquenta por cento? Vinte por cento? Quanto acha?

RA: Quanto?

LMO: Todos. Ninguém escapou. Levou dezoito anos. O último, Ratko Mladic, foi preso há alguns meses mas no fim conseguimos.

Bashir também será preso um dia. Entretanto há mulheres violadas e crianças que morrem de fome.
É esse o preço a pagar.

RA: O TPI não é dispõe de forças policiais nem de exército para investigar e prender em países que não colaboram. Coloca em perigo os seus colaboradores? Quatro pessoas que trabalham para o TPI foram presas na Líbia. O que aconteceu? Estão em perigo?

LMO: A segurança é um assunto de grande importância para todos nós. Estou orgulhoso de a Procuradoria Geral ter feito mais de 600 missões em todo o mundo e nenhum investigador ou testemunha foi ferido.

O problema é que essas pessoas da defesa pública foram temporariamente detidas na Líbia. É a prova dos riscos que os que trabalham para o Tribunal correm todos os dias.

RA: Tanto quanto sei, também a Líbia, foi um marco, devido à decisão unânime do Conselho de Segurança. Qual foi a sua reação face ao linchamento e à morte de Kadhafi?

LMO: A reação do mundo inteiro a pedir justiça para o caso da Líbia, é a prova de uma evolução global.

Em poucos meses o Tribunal conseguiu investigar e provar as responsabilidades de Muhamar Kadhafi, do filho Saif e de Al Sanussi. O fato de Kadhafi ter sido executado sem julgamento é obviamente condenável. No entanto, as outras duas pessoas foram presas. Estão sob o nosso controlo. Agora o problema é quem vai julgá-los, uma questão mais fácil.
A justiça será feita. Nós só temos de decidir quem a vai fazer.

RA: Posso imaginar quão frustrante pode ser para si ver as coisas repetirem-se. Por exemplo no mundo árabe e agora na Síria.
Desta vez, o Conselho de Segurança não lhe pediu para abrir uma investigação.

LMO: Nada é frustrante para mim. Tudo é uma aprendizagem fascinante. Ser procurador-geral foi um grande privilégio. Repito, nenhuma frustração.
Os frustrados são as vítimas.
Agora, estou admirado pelo pelo facto de todos discutirem porquê o TPI não interveio na Síria.
Há nove anos, ninguém pensava que seria possível ao Tribunal agir em tais conflitos. Se olharmos para isso, percebemos que houve grandes mudanças.
O mundo mudou. As expectativas são diferentes e existem agora instituições que podem responder a essas expectativas. A Síria é uma decisão política que compete ao Conselho de Segurança.

RA: Estes últimos meses têm sido muito importantes para si. Em dezembro, pela primeira vez um chefe de Estado foi julgado no Tribunal, o presidente da Costa do Marfim Gbagbo. Depois, em março, o tribunal pronunciou a primeira sentença de culpa para o líder rebelde congolês Thomas Lubanga.

LMO: Isso é o resultado do que fazemos há nove anos. É o fim de nove anos de trabalho. A verdade é que nunca podemos falhar. Não podemos falhar com Thomas Lubanga, não podemos falhar com Gbagbo.
No início dizia-se: “Estão a lidar apenas com as milícias”. Agora três chefes de Estado estão a ser julgados. Dizia-se: “Só dão atenção à África”. Bem, nós continuamos …

RA: Uma pessoa que o senhor queria que colaborasse com este Tribunal como conselheiro é Baltasar Garzón, conhecido como o melhor procurador-geral espanhol. Neste momento continua suspenso do cargo. Qual é a sua reação perante as acusações e condenações que levaram à suspensão de Baltasar Garzón?

LMO: Eu pedi a Garzón para nos vir ajudar, porque ele passou a vida a investigar pessoas poderosas, e agora está a pagar por isso. Posso dizer que quando investigamos ou julgamos pessoas poderosas colocamo-nos em perigo. Essa é a razão pela qual o TPI é por vezes criticado.

RA: O senhor disse que o árbitro sempre é impopular

LMO: Claro que é. Veja um jogo Barcelona – Real Madrid. Toda a gente reclama contra o árbitro. Isso é interessante. O fair play não depende só do árbitro. Pela mesma razão o TPI não é suficiente para evitar a violência. Os atores, os jogadores têm de respeitar as regras.

RA: Como argentino certamente que gosta de futebol

LMO: Claro.

RA: A FIFA está a pedir-lhe que acabe com a corrupção no futebol. Vai aceitar esta nova tarefa? É curioso vê-lo nessa nova experiência.

LMO: Há um comité de reforma no seio da FIFA, que propôs à FIFA a criação de uma comissão de ética com poderes de inquérito. Recomendaram o meu nome. A escolha agora é deles. A FIFA pode escolher outra pessoa. Nada é certo. Vou esperar e ver

RA: E se a FIFA disser sim?

LMO: Se a FIFA me oferecer esse lugar vou tratar disso. Quando era advogado na Argentina fui encarregado da reformar das organizações corruptas. Isso era parte do meu trabalho anterior. Essa é a razão pela qual penso que a comissão da FIFA sugeriu meu nome. Vamos ver o que acontece. A propósito vou estar de férias por uns tempos e talvez em setembro vou abrir um escritório de advocacia em Nova Iorque. Se a FIFA me chamar, depois verei.