Última hora
This content is not available in your region

Mulheres soldado pela paz

Mulheres soldado pela paz
Tamanho do texto Aa Aa

Estamos em Souleimaniya, no Curdistão iraquiano. Nahida abre-nos as portas do regimento feminino do exército nesta região autónoma. Conheça uma comandante diferente.

“Adoro estas montanhas. Elas estão na retaguarda para eu me apoiar. Estava sempre algo a acontecer, nós íamos para lá e escondíamo-nos. Protegíamo-las e elas protegiam-nos. Todas as pessoas têm um sonho que querem concretizar. Estas montanhas fizeram o meu sonho tornar-se realidade”, conta esta mulher soldado.

O sonho de Nahida vem desde os seus catorze anos. Ela costumava levar mensagens e armas à resistência do Curdistão que lutava contra a opressão do regime de Saddam Hussein.

30 anos depois é comandante da unidade de mulheres das forças da região autónoma do Curdistão iraquiano.

“Os meus irmãos eram soldados peshmerga, os meus tios também, toda a minha família era peshmerga. Um dia, as tropas de Saddam executaram o meu tio. Um tanque arrastou-o. O regime perseguia as pessoas, as mulheres em particular. Foi por isso que decidi tornar-me peshmerga,” explica Nahida.

Em 1988, a ofensiva química de Saddam Hussein devasta o Curdistão iraquiano.

Três anos depois, Nahida alista-se e torna-se na primeira mulher a combater ao lado dos peshmerga que significa, literalmente, “os que enfrentam a morte.”

Membro da União Patriótica do Curdistão, convence – em 1996 – o líder do Partido Nacionalista e o atual presidente do Iraque a criar a primeira unidade de mulheres peshmerga. Unidade que conta, atualmente, com 500 mulheres. Uma conquista conseguida com muito suor.

“Quando me tornei peshmerga e quando estava na academia militar, havia pessoas que lançavam pedras sobre mim. Diziam: O quê? Uma mulher soldado? Até me cuspiam. Mas quando o Curdistão foi libertado, nós fizemos parte disso, com as nossas armas. Tal como os homens.

A nossa sociedade ainda é machista é uma sociedade tribal. Temos que mudar tudo isso. Estamos a lutar contra esta mentalidade, lutamos pelo progresso”, desabafa Nashida.

Para ela saber lidar com armas não é a única coisa que as jovens recrutas têm que aprender. Para além da proteção do território, a unidade de mulheres peshmerga trava a sua própria batalha contra o preconceito.

A unidade dá também abrigo a mulheres que são maltratadas e ameaçadas pelas famílias numa região onde os crimes de honra são um lugar-comum. Se não se conseguir um acordo com a família, as peshmergas escondem estas mulheres para evitar represálias.

“Zelar pela liberdade das mulheres é parte da minha luta. Estas mulheres estão privadas de qualquer direito, não têm casa, nem caminho de regresso. Acredito que esta injustiça, contra as mulheres, cometida pelos maridos, pais, irmãos, é cometida por toda a sociedade”, diz a comandante peshmerga.

Também ajudam os mais desfavorecidos, às vezes com os seus próprios recursos.

“Como somos soldados, estamos aqui para proteger o país. Mas a missão peshmerga passa também por proteger as pessoas”, explica Nahida.

Uma missão social que não deixa Nahida esquecer a razão que a fez tornar-se soldado.

Embora a paz tenha sido reestabelecida nas aldeias do Curdistão iraquiano, os fantasmas da história nunca estão longe do seu pensamento:

“Preocupa-nos que guerra possa vir de todos os lados do Curdistão. Há tensões entre xiitas e sunitas por todo o Iraque. E há uma mão invisível, vinda de países vizinhos, que tenta interferir nos assuntos internos do Iraque. Temos medo disso. Ser uma peshmerga não são apenas palavras. Tememos que a situação possa deteriorar-se, que possa haver uma guerra civil. E nós estamos preparados para isso e trabalhamos para manter a calma e a segurança.”

O que Nahida quer para a nova geração de mulheres peshmergas, é a consciência dos seus direitos e responsabilidades numa terra onde o futuro ainda tem que ser definido.

“O meu sonho foi sempre ter um país livre e independente, que nos salvaria. Como peshmerga vou lutar para que nos tornemos um Estado. Eu sou um soldado que defende a paz. Gosto de sentar-me à mesa das negociações, encontrar soluções através da diplomacia. Mas se alguém se opuser eu defendo-me. E sacrificarei a minha vida pela paz. Se for preciso, darei a minha vida por isso.”