Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Membro da realeza espanhola sob suspeita judicial

Membro da realeza espanhola sob suspeita judicial
Tamanho do texto Aa Aa

A Infanta Cristina, a segunda filha do rei da Espanha, foi acusado na quarta-feira de ser cúmplice no caso de desvio de fundos econtra o seu marido..

O juiz que investiga desde o final de 2011 intimou Cristina a comparecer em tribunal a 27 de abril para responder às acusações.

É a primeira vez que um membro da família real fica sujeito a um processo penal, desde que o rei Juan Carlos saiu do exílio em 1970. A Infanta, 47 anos, é o sétimo elemento na linha de sucessão ao trono espanhol.

Em Espanha, todos os cidadãos são iguais perante a lei.

A acusação de Cristina de Borbón e Grécia no caso Nóos parece confirmar o enunciado da Constituição Espanhola.

O Estado de direito está acima dos privilégios reais?

Vê-lo-êmos, mais marde, com o nosso convidado deste News+Plus, mas antes, comecemos pelos factos.

António Torre del Moral está em Madrid, onde responde às nossas questões.

O senhor é catedrático de Direito Constitucional da Unversidade Nacional de Educação à Distância de Espanha.

Que engloba concretamente, a inculpação por “cooperação necessária” da Infanta Cristina? Que vai acontecer no dia 27 quando tiver de se apresentar no Tribunal?

Antonio Torres do Moral – Não se pode antecipar o acontecimento porque daqui atá 27 é possível que a “Audiência” se pronuncie sobre o recurso que apresentou o promotor contra o auto de inculpação do juiz. Mas se o Tribunal o confirmar, a Infanta Cristina deve responder por escrito a um questionário do tribunal, não tem de se deslocar.

euronews – Cristina de Borbón foi envolvida no caso Nóos, tal como a mulher do sócio de Iñaki Urdangarín, o marido da infanta. É uma prova de que em Espanha todos os cidadãos são iguais ante a lei?

ATM – É uma prova de que a justiça funciona aceitavelmente bem, não podemos generalizar e dizer que funciona sempre assim. Mas neste caso, que era muito delicado e que tinha suscitado reiteradas declarações de alguns políticos e de alguns Media, duvidando dos resultados da instrução, fica esclarecido que até uma filha do Rei é inculpada com a possibilidade, mais para a frente, de ser processada,é o que vamos ver.

euronews – A infanta Cristina é a sétima na ordem de sucessão, e ter sido chamada a depôr é um facto sem precedentes na monarquia parlamentar espanhola. Que consequências pode ter este caso para a Coroa como instituição e para o Rei como Chefe do Estado espanhol?

ATM – Há alguns anos, dois pelo menos, diversos acontecimentos minaram a credibilidade da monarquia e a autoritade que o Rei tem desde 1975. É grave, do ponto de vista político para a monarquia e, desde então, para Espanha por que é a forma política do Estado. O Rei tinha autoridade, um prestígio enorme, nacional et internacional. O prestígio internacional continua a tê-lo, mas internamente, em Espanha, tinha uma extraordinária aceitação, antes, e agora questiona-se a continuação do seu mandato.”

euronews – Se houver provas de que o Rei estava a par destes factos, a legislação espanhola prevê que o monarca possa ser também chamado?

ATM – Não, não. O monarca é intocável. Não se pode convocar o Rei para depôr em em Tribunal. A justiça administra-se em nome do Rei, não faz sentido que o Rei se submeta a uma justiça que se administra em seu nome.

euronews – Não seria conveniente que, por exemplo, comparecesse perante as Cortes, perante o parlamento, que é onde reside a soberania nacional, como pedem alguns comentaristas na imprensa espanhola?

ATM – O normal seria, em caso de necessidade, o chefe da Casa, ou a Casa Real como instituição, esclarecer. A Casa do Rei faz esta declaração com conhecimento do Rei, mas o Rei não vai às Cortes fazer declarações, sujeitar-se a perguntas e submeter-se a um interrogatório. Não se coaduna com a monarquia, e a monarquia é o que é: se interessa mantém-se e se não interessa não, mas o que não podemos é ter uma monarquia republicana, não se equaciona com o conceito de monarquia parlamentar.