Última hora
This content is not available in your region

Europa anseia pelo futuro imediato da Alemanha

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Europa anseia pelo futuro imediato da Alemanha
Tamanho do texto Aa Aa

É uma disputa interna que pode mexer com toda a Europa. Em particular, a zona Euro aguarda ansiosa, e preocupada, a resolução das eleições legislativas na maior economia do Velho Continente. Será a coligação dos Democratas Cristãos (CDU), dos Sociais Cristãos (CSU), com participação do Partido Democrático Liberal (FDP) e liderada por Angela Merkel, capaz de ser reeleita e assim dar continuidade às políticas que a ainda Chanceler da Alemanha tem vindo a seguir, nomeadamente no seio da União Europeia?

Estarão os alemães saturados de serem o pilar mais forte da austeridade que tem vindo a ser seguida e abertos a uma mudança de governo? Poderá o novo partido Alternativa para a Alemanha (AfD) fazer tremer a estratégia de campanha de Angela Merkel? E, com o crescimento de outros partidos pequenos, poderá o FDP perder os 5 por cento de votos necessários para se manter no Bundestag, o parlamento germânico, e com essa queda obrigar a CDU e a CSU a procurar uma nova aliança?

São muitas questões em aberto. A Europa está em suspenso e no The Network, com os três habituais especialistas convidados, procuramos responder a algumas destas questões pertinentes que estão sobre a mesa.

Para Stefan Gehrold, da Fundação Konrad Adenauer, que é próxima da coligação liderada por Merkel, o necessário é “aplicar os princípios de solidariedade” e se “tiver de haver um terceiro resgate daqui a uns anos” na Grécia, que o mesmo seja aplicado, tal como sugeriu o Ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble.

Josef Janning, do Conselho alemão para as Relações Externas, entende, por seu lado, que “Merkel foi dura” com países como a Grécia e não recuou nas suas políticas de austeridade. “O terceiro resgate de que se fala não é bem um resgate. Pelo menos, até agora Schäuble não falou de qualquer resgate. Ele falou, sim, de um novo pacote de assistência à Grécia, uma ajuda”, defende.

Por fim, Jo Leinen, membro do grupo Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu, entende que “a política de austeridade aplicada foi unilateral, teve vistas curtas e foi demasiado dura”. “Não há dúvidas de que vamos precisar de um novo pacote de ajuda à Grécia”, alerta.