EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Português é a quarta língua europeia mais falada no mundo

Português é a quarta língua europeia mais falada no mundo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

O português é atualmente a quarta língua europeia mais falada no mundo, segundo dados apresentados na exposição “Potencial Económico da Língua Portuguesa”, que esteve em exibição no Parlamento Europeu.

Esta exposição, do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e de uma equipa de investigadores do ISCTE/IUL – Instituto Universitário de Lisboa, tem como missão rentabilizar e projetar o valor de mercado da língua portuguesa através do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

A exposição, que tem em conta os conteúdos do estudo realizado por investigadores do ISCTE, sob a coordenação de Luís Reto, está patente de 18 a 21 de fevereiro.

A língua portuguesa atingiu a sua plena identidade linguística no início dos Descobrimentos, no século XV, e hoje é usada por mais de 250 milhões de pessoas como idioma oficial.

Este universo de falantes representa mais de 7% da superfície continental da Terra. São oito os países de língua oficial portuguesa, Portugal, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, todos eles países “plantados à beira-mar” e que representam 4% da riqueza mundial.

Tudo indica que em 2050, mais 100 milhões de pessoas se vão juntar ao número de falantes de português. 350 milhões vão manter a língua portuguesa no topo de idiomas mundiais, a terceira mais falada na Europa, depois do inglês e do espanhol.

O português é ainda uma das línguas que regista uma das taxas de crescimento mais elevadas nas redes sociais e na aprendizagem como língua estrangeira.

Mais informação em Camões – Instituto da Cooperação e da Língua

Conheça o Programa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Investigadores pedem mais investimento na ciência aos candidatos às eleições

Encontrados restos mortais do pequeno Émile

Censo Oceânico tenta salvar espécies marinhas antes que seja tarde