Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Tiananmen: 25 anos depois

Tiananmen: 25 anos depois
Tamanho do texto Aa Aa

Michel, Paris: “Quase toda a gente ainda se lembra das imagens da repressão na Praça de Tiananmen, na Primavera de 1989. Vinte e cinco anos depois, podemos dizer que as exigências dos manifestantes foram ouvidas e atendidas?

Rémi Castets, analista de assuntos chineses: “A exigência principal dos manifestantes era a democratização do regime e o estabelecimento de um sistema multi-partidário. Por enquanto essa exigência ainda não foi atendida.

Na China atual, as opiniões dissidentes continuam a ser reprimidas. O fato do vencedor do Prémio Nobel da Paz Liu Xiaobo continuar na prisão mostra que o grau de liberdade dos intelectuais continua limitado. Há uma linha amarela que não pode ser ultrapassada: não se pode questionar a autoridade do Partido Comunista Chinês. Uma segunda exigência (feita por estudantes de Tiananmen) foi a de limitar as desigualdades geradas pela introdução da economia de mercado na China. Se olharmos para a situação atual, a situação tende a piorar.

Uma terceira reclamação foi para tentar limitar a corrupção e o nepotismo dentro do Partido. Hoje, o partido está intimamente ligado aos negócios, por isso, atualmente, não tem as ferramentas para tentar resolver o problema, o que tende a minar a legitimidade do Partido. Mas há uma área em que o partido tem sido muito bem sucedido: que é na reforma da sua economia. Enquanto o governo chinês conseguir manter uma taxa de crescimento superior a 7%, consegue controlar a agitação social. Porque com uma taxa de crescimento de 7%, a China continua a conseguir de integrar os recém-chegados ao mercado de trabalho.

Acho que a China está agora a enfrentar um momento chave. E vamos ver se o Partido Comunista tem as ferramentas para implementar os sistemas necessários que vão ajudar a reduzir os efeitos negativos da economia de mercado e limitar a diferença de rendimentos, que alimentanda o descontentamento dos mais pobres da China. O mais interessante é que existem pessoas que participaram do movimento na praça Tiananmen e que agora estão a beneficiar plenamente deste aumento de rendimentos.

Eu diria que parte da sociedade chinesa colocou temporariamente de lado as suas reivindicações democrática, considerando que, por enquanto, o Partido Comunista Chinês satisfaz as necessidades básicas, para uma melhoria da qualidade de vida.”

Se também gostaria de fazer uma pergunta em U-talk, clique no botão abaixo.