A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Uma das críticas que se ouve é que o governo de Nouri Al-Maleki é mais leal a Teerão que ao povo iraquiano", Arash Aramesh, analista da Universidade de Stanford

"Uma das críticas que se ouve é que o governo de Nouri Al-Maleki é mais leal a Teerão que ao povo iraquiano", Arash Aramesh, analista da Universidade de Stanford
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma semana depois da ofensiva jihadista no Iraque, que já permitiu aos islamitas a tomada de cidades como Mossul, Tikrit ou Kirkuk, e com os insurgentes a meia centena de quilómetros de Bagdade, a comunidade internacional preocupa-se, cada vez mais, com a estabilidade da região.

Tanto mais que o governo iraquiano dá provas de fraqueza, incapaz de fazer face ao avanço dos combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

A euronews quis perceber melhor o que se passa na região e entrevistou Arash Aramesh, analista para o Médio Oriente, da universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Euronews:

Quem, na região, beneficia com a divisão do Iraque?

Arash Aramesh:

No curto prazo, a influência do Irão ficaria muito reduzida no Médio Oriente. Se o Iraque se transformasse num país federativo, com uma parte na mão dos sunitas, outra que seria o Curdistão e o centro e sul fosse controlado pelos xiitas, essa influência seria reduzida em algumas partes da região. Mas, a longo prazo, poderia ser a causa da instabilidade e levar à criação de um Curdistão independente, o que pode ser perigoso para o Irão e para a Turquia. Por outro lado, um país sunita, independente, dentro das fronteiras entre a Síria e o Iraque, em terras que não estão sob o controlo de ninguém, poderia ser perigoso mesmo para aqueles Estados que apoiam grupos extremistas. Mesmo para os países do Golfo Pérsico, que estão a apoiar esses grupos.

Euronews:

Há vários relatos sobre o envio de efetivos da Guarda Revolucionária Iraniana para o Iraque. Mas as autoridades iranianas negaram isso. Porque é que o regime do Irão esconde apoiar o Estado iraquiano?

Arash Aramesh:

Mesmo os xiitas podem estar em desacordo com o envio de forças militares para solo do Iraque. Não se esqueça que o Irão e o Iraque estiveram em guerra oito anos e há um histórico de competição entre estas duas potências regionais. Além disso, o governo de Al-Maleki não enviou qualquer pedido. Se o Irão enviou duas unidades das forças do IRGC para o Iraque quer mantê-lo em silêncio e confidencial. Eles não querem que isso se vire contra eles próprios, não querem pôr-se nas mãos de extremistas sunitas. Uma das críticas que se ouve é que o governo de Nouri Al-Maleki é mais leal a Teerão que ao povo iraquiano.

Euronews:

O porta-voz do Pentágono, o contra-Almirante John Kirby, disse: “não há planos para conversações com o Irão sobre as atividades militares no Iraque”. Mas, por outro lado, o Secretário de Estado John Kerry disse: “estamos abertos a qualquer processo construtivo que possa reduzir a violência no Iraque”. Qual é a possibilidade de haver uma colaboração entre o Irão e os Estados Unidos? E poderá ser vista como uma ação militar?

Arash Aramesh:

A possibilidade de haver uma colaboração, confidencial, é elevada. Como sabe, eles têm um histórico de colaboração: em 2001 após o ataque ao Afeganistão e o Irão também ajudou os Estados Unidos em 2003. Mas depois de alguns desafios e mudanças políticas, no governo de Bush, o Irão ficou dececionado. As pessoas que lideram o Estado do Irão têm um histórico de desconfiança e hostilidade para com o Ocidente. Mas os interesses estratégicos, de curto e longo prazo, de ambos, na região, são convergentes. Estados Unidos e Irão estão interessados ​em ver um governo sunita moderado e um Estado estável no Iraque. É para isso que eles podem ter cooperar. É importantes saber que as lacunas entre Irão e EUA são muito profundas e, a colaboração entre ambos nesta questão, não será a causa da unidade militar ou unidade estratégica, mas eles podem trabalhar juntos em alguns períodos e alguns casos.