Última hora

Última hora

Língua de Camões em ascensão há 800 anos

Em leitura:

Língua de Camões em ascensão há 800 anos

Língua de Camões em ascensão  há 800 anos
Tamanho do texto Aa Aa

Já tem 800 anos mas não está ainda para morrer. Segundo a UNESCO, pelo menos 43%, das 6 mil línguas, que se estima sejam faladas no mundo, estão em perigo de serem extintas. Mas o português não é uma delas.

A língua portuguesa – originária de um pequeno país, que tem, hoje, uma área total de pouco mais de 92 km², incluindo os arquipélagos da Madeira e Açores – é falada por 244 milhões de pessoas, espalhadas pelos cinco continentes, segundo o “Camões – Instituto da Cooperação e da Língua” e o “Observatório da Língua Portuguesa”.

O idioma de Fernando Pessoa, ou Camões é, atualmente, o quarto mais falado no mundo e a terceira língua europeia com mais falantes “maternos”, segundo dados apresentados na exposição “Potencial Económico da Língua Portuguesa”, que esteve patente no Parlamento Europeu, em Bruxelas, em fevereiro último.

Mas a importância crescente do português não se fica por aqui. A sua utilização na internet cresceu, entre 2000 e 2011, 990%, segundo o “Internet World Stats”. O português é o quinto idioma mais usado na web, 82,5 milhões de cibernautas, o que representa 32,5% do total de falantes de português no mundo.

Todos estes aspetos são, desde já, formas de comprovar a importância que a língua portuguesa tem hoje, e terá no futuro, mas o português tem um papel de, ainda maior relevo, em termo mundiais, que se reflete noutros domínios. Um estudo do British Council concluiu que o português é a sexta língua mais importante para o futuro dos britânicos. O português, que o estudo refere como a língua do romance, ao lado do francês, do espanhol e do italiano, é a oitava língua mais falada no Reino Unido. Para além disso, e em termos económicos, o Brasil tem aqui um papel preponderante. Este estudo refere que este país oferece grandes oportunidades de negócio em termos energéticos, de serviços e ciência. O Brasil foi identificado, pelo governo britânico, como uma prioridade em termos de educação internacional, foram já criadas, por exemplo, bolsas de estudo para quem queira aventurar-se a viajar para o outro lado do Atlântico.

Depois há o turismo, o estudo não esquece que Portugal continua a ser um dos destinos de eleição dos britânicos. Em 2011, quase dois milhões de britânicos aterraram em terras lusas para passar as suas férias. Esse pequeno “cantinho à beira mar plantado”, chamado Portugal, de onde nasceu uma língua chamada português, poderá conseguir juntar, até 2050, mais 100 milhões de pessoas ao universo de falantes.

Nara Madeira