Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Robô que ganha raízes

Robô que ganha raízes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um robô que imita as propriedades das raízes das plantas, incluindo o auto-crescimento. Antes de construirem as raízes robóticas, os investigadores tiveram de compreender como é que as raízes reais se comportam no subsolo. Algo que estava longe de ser simples.

Barbara Mazzolai, Bióloga, Instituto Italiano de Tecnologia e coordenadora do projeto Plantoid explica: “As raízes das plantas evoluem num ambiente muito complexo, no fundo da terra, como se vê aqui. Têm de fazer uma enorme pressão para crescer… E só crescem a partir da ponta, através da denominada osmose. Ganham massa, ao absorver elementos e água do solo e ao deitar fora outras matérias e células mortas. Ao mesmo tempo produzem uma espécie de muco que facilita o seu crescimento e a progressão subterrânea.”

Cientistas de um projeto europeu de investigação tiveram de desenvolver um mecanismo que permite que o robô escave profundamente no solo. O que equivale à criação da sua própria massa a partir de material artificial.

Ali Sadeghi, engenheiro mecânico doInstituto Italiano de Tecnologia adianta: “O crescimento na Natureza é a adição de material. Tentámos imitar isso ao desenvolver o que chamamos de “sistema de cultivo”. Alimentamos o robô com filamentos artificiais e ele consegue construir a sua própria estrutura e penetrar no solo. Desta forma, o artefacto consegue construir o seu próprio corpo e alongar-se para penetrar no solo”.

As raízes robóticas reagem a estímulos como as raízes naturais: dobrando-se e desviando-se de obstáculos, enquanto ativamente à procura de nutrientes ou água.

“Estamos a imitar esses desvios muito característicos de duas formas. Primeiro estamos a usar fluidos eletro-biológicos. Esses fluidos tornam-se mais ou menos viscosos, dependendo da carga elétrica que se aplica. E também fazemos com que o robô se dobre através da sobreposição de mais ou menos material artificial dos lados”, diz Barbara Mazzolai.

Para verem e sentirem o subsolo, os robôs estão equipados com sensores sofisticados, feitos de materiais suaves, mas resistentes.

Lucia Beccai, engenheira eletrónico do Instituto Italiano de Tecnologia explica: “Estes sensores foram concebidos para decodificar e ler informações sobre o meio ambiente e os objetos externos; os sensores apercebem-se quando estão a ser tocados. Também conseguem perceber qual a pressão e as forças a que estão submetidos”.

Estas raízes robóticas podem ser úteis na exploração espacial, ou ajudar a encontrar nutrientes, minerais, petróleo ou minas antipessoais subterrâneas. Mas os cientistas têm aplicações ainda mais ousadas em mente. Preveem um futuro onde uma ferramenta robótica auto-ajustável, crescente e flexível possa ser utilizada na cirurgia cerebral e assim substituir ferramentas mais invasivas.”

Seja qual for o resultado final, segundo os investigadores, está a florescer uma nova era na exploração robótica.

www.plantoidproject.eu