Última hora
This content is not available in your region

Tragédia de Bhopal recordada 30 anos depois

Tragédia de Bhopal recordada 30 anos depois
Tamanho do texto Aa Aa

Na Índia, o trigésimo aniversário do desastre químico de Bhopal, considerada uma das maiores tragédias de sempre do género, foi assinalado com uma marcha em que o alvo da fúria foi a Dow Chemical, a empresa norte-americana que explora a fábrica onde ocorreu a fuga de gás mortal.

Houve uma sensação de queimadura muito forte, como se alguém nos tivesse posto malaguetas nos olhos. Tornou-se muito difícil respirar. As mãos, os pés, todo o corpo ardia. As pessoas ficaram em pânico.

O desastre matou, na altura, cerca de quatro mil pessoas. Segundo os ativistas, já morreram mais de 25 mil pessoas vítimas do desastre.

“Se os responsáveis pelos desastres reconhecerem o papel que tiveram no sofrimento humano que conntinua aqui e corrigirem a posição, talvez esta tragédia termine na próxima década”, diz Satinath Sarangi, fundador do grupo de ação e informação sobre Bhopal.

Uma sobrevivente relata as horas de sofrimento que viveu: “Houve uma sensação de queimadura muito forte, como se alguém nos tivesse posto malaguetas nos olhos. Tornou-se muito difícil respirar. As mãos, os pés, todo o corpo ardia. As pessoas ficaram em pânico”.

A empresa então proprietária da fábrica pagou na altura indemnizações baixas. Os responsáveis estão nos Estados Unidos e nunca foram julgados e a atual proprietária, Dow Chemical, recusa-se a pagar novas indemnizações.

A história desta tragédia é agora contada num filme, “Bhopal – A prayer for rain”, com Martin Sheen no papel principal.