Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Colômbia: FARC anunciam cessar-fogo unilateral se governo não atacar

Colômbia: FARC anunciam cessar-fogo unilateral se governo não atacar
Tamanho do texto Aa Aa

As FARC anunciaram um cessar-fogo unilateral e por tempo indefinido, que entrará em vigor no próximo sábado, dia 20 de dezembro, – sob supervisão internacional.

O anúncio das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia foi feito em Havana, após o último ciclo, do ano, do Diálogo de Paz com o governo.

Os representantes das FARC garantem que o cessar-fogo tem vocação a transformar-se em “armistício”, como se pode ler no comunicado (em espanhol).

“Este cessar-fogo é unilateral, e desejamos que se prolongue no tempo, e só terá fim se constatarmos que as nossas estruturas guerrilheiras foram alvo de ataques por parte da força pública”, explicou Iván Marquez, representante das FARC.

Durante a semana, em honra das negociações de paz, em curso há mais de dois anos, em Cuba, membros do governo e das FARC e representantes das vítimas de uma guerra civil que dura há cinco décadas plantaram uma árvore da esperança.

Mauricion Armitage, uma das vítimas do conflito, não escondeu a emoção: “Enquanto colombiano, sinto-me orgulhoso de que esta árvore signifique uma nova Colômbia onde respeitemos a vida e nos devolva a esperança. Muito obrigado.”

Das negociações de paz já saíram acordos sobre a luta contra o tráfico de cocaína, a necessidade de uma reforma agrária – reivindicação que data dos anos 30 e que esteve na origem da formação das FARC -, ou a participação dos ex-guerrilheiros na vida política do país.

Segundo dados da Agência Colombiana para a Reintegração, desde 2003, mais de 59 mil membros de grupos guerrilheiros e paramilitares foram desmobilizados, a maioria dos quais ingressou no programa de reintegração. A agência não detalha, contudo, quantos pertenciam às FARC.