Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA acusam Coreia do Norte de envolvimento em ciberataque contra a Sony

EUA acusam Coreia do Norte de envolvimento em ciberataque contra a Sony
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos acusam a Coreia do Norte de envolvimento no ciberataque contra a Sony Pictures Entertainment. As autoridades norte-americanas alegam que a investigação que estava em curso permitiu apurar responsabilidades.

De acordo com uma fonte governamental dos Estados Unidos, a China poderá estar também implicada, quer por causa da colaboração de cidadãos chineses com os hackers quer por estes últimos terem usado servidores do país vizinho para camuflar a origem do ataque.

O episódio obrigou a filial de cinema da Sony a anular o lançamento da comédia “Uma Entrevista de Loucos”, que conta a história de um plano fictício para assassinar o líder norte-coreano Kim Jong-Un, depois de ameaças por parte do grupo que se auto-intitula “Guardiões da Paz.”

Os piratas informáticos elogiaram o recuo em relação ao lançamento do filme e anunciaram que irão conservar em segurança as informações recolhidas, a não ser que se “causem problemas adicionais.”

O regime norte-coreano nega o envolvimento, mas classificou o sucedido como um “ato legítimo.“Investigadores norte-americanos tinha concluído que um Estado estava por detrás do ciberataque e assinalam a unidade Bureau 121 de Pyongyang.

Durante anos, a Coreia do Norte investiu recursos de forma significativa para criar esta célula dirigida pela agência de espionagem militar e formada pelos peritos informáticos de elite do país comunista.

O dissidente norte-coreano, Jang Se-Yul, foi um destes alunos em informática. Lembra que são 1800 hackers, alguns deles a operar a nível internacional discretamente: “Na Coreia do Norte é chamada a ‘Guerra Secreta.’ Podem abater secretamente um inimigo. Podem matar alguém sem deixar que nos apercebamos de quem é a responsabilidade. A empresa funciona como um negócio normal no estrangeiro. Trabalham como empresário comuns. Por isso é que o que fazem é assustador.”

Os objetivos são as infraestruturas dos inimigos. Em março de 2013, a Coreia do Sul foi alvo de um ataque nas redes informáticas dos bancos e das cadeias de televisão. A paralisação prolongou-se por vários dias.