EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Obama: Cuba "não mudará de um dia para o outro" e EUA sofrem de "passado racial problemático"

Obama: Cuba "não mudará de um dia para o outro" e EUA sofrem de "passado racial problemático"
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com EFE / REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Barack Obama efetuou um balanço positivo de 2014, na última conferência de imprensa do ano na Casa Branca. O presidente norte-americano frisou que um

PUBLICIDADE

Barack Obama efetuou um balanço positivo de 2014, na última conferência de imprensa do ano na Casa Branca. O presidente norte-americano frisou que um dos grandes avanços foi o recente anúncio da normalização de relações com Cuba, embora não seja de esperar um fim rápido para o embargo norte-americano à ilha.

Obama disse que “continua a ser um regime que oprime o seu povo e não se podem antecipar mudanças de um dia para o outro. Mas se, durante cinquenta anos, se fez a mesma coisa e nada mudou, então deve-se tentar algo diferente para tentar obter um resultado distinto”.

O presidente norte-americano abordou também as tensões raciais no país, na sequência de vários incidentes onde polícias brancos mataram indivíduos de raça negra. Obama reconheceu que os Estados Unidos sofrem de um “passado racial problemático”.

O chefe de Estado frisou que “não é um fenómeno novo. O facto de estar a ressurgir é, em parte, devido ao facto de que as pessoas podem agora filmar o que aconteceu, as histórias são transmitidas à volta da mesa e cada um faz a sua análise e avaliação. O problema não pode ser resolvido se não for debatido”.

Acerca dos próximos dois anos, o presidente democrata convidou os republicanos que dominarão o Congresso a trabalharem em conjunto com a administração.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"