EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Governo paquistanês anuncia execuções e exorta à vigilância contra ataques terroristas

Governo paquistanês anuncia execuções e exorta à vigilância contra ataques terroristas
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Governo paquistanês anuncia execuções de condenados à morte nas próximas semanas.

PUBLICIDADE

No Paquistão vive-se ainda o rescaldo do ataque das forças Talibã contra uma escola na semana passada e que resultou em mais de 141 mortos, 132 dos quais crianças e jovens.

No domingo, as vítimas do ataque foram relembradas no decurso de uma vigília religiosa realizada na Catedral de Santa Maria em Lahore. O gesto foi repetido em outras congregações cristãs espalhadas pelo país.

O governo contudo já lançou o alerta. O ministro do Interior afirma que os extremistas já estariam a preparar um novo ataque.

“Depois deste incidente e das penas de morte que foram cumpridas, para além das operações militares que estão em curso na região, estamos a receber informações que sugerem que os extremistas estariam a preparar um novo ataque. Todos nós precisamos de estar alerta”, disse o ministro paquistanês do Interior, Chaudhry Nisar Ali Khan durante um encontro público.

No desenvolvimento mais recente, o governo afirmou esta segunda-feira que vai executar pelo menos 500 condenados à morte nas próximas semanas. O anúncio coloca um ponto final na suspensão da pena de morte em vigor desde 2008.

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, havia prometido negociar a paz com as forças Talibã mas o atentado da semana passada colocou um ponto final nos esforços. O governo reagiu lançando uma ofensiva contra bases de extremistas ao longo da fronteira com o Afeganistão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos em tiroteio durante marcha pela paz no Paquistão

Jogos Olímpicos sem ameaças de segurança concretas, diz ministro do Interior francês

Deslizamento de terras na Etiópia mata mais de 200 pessoas