Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ucrânia abandona estatuto de país não-alinhado

Ucrânia abandona estatuto de país não-alinhado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

De acordo com várias sondagens independentes realizadas na Ucrânia durante o período compreendido entre 2005 e 2013, a opinião pública ucraniana não favorecia a entrada do país na NATO. Mesmo em março de 2013, 51% dos ucranianos, excluindo a população da Crimeia, eram contra a ideia de integrar a Aliança. Apenas 40% se mostravam a favor.

No entanto, tudo mudou depois da intervenção russa na Crimeia e das hostilidades desencadeadas no leste do país, 54% dos ucranianos, (entre aqueles que se mostravam dispostos a votar num referendo sobre a entrada na NATO) mostraram-se a favor do “sim” e apenas 43% disseram “não”.

“Depois do agravamento das relações entre a Ucrânia e a Rússia as pessoas que pensavam que a Rússia era um país amigo, com políticas dentro dessa linha, mudaram de opinião. Foi então que a situação mudou”, afirma Valeriy Khmelko, Presidente do Instituto Internacional de Sociologia de Kiev.

As relações entre a NATO e a Ucrânia foram formalmente lançadas em 1991 quando a Ucrânia se juntou ao Conselho de Cooperação do Atlântico Norte. Após a “Revolução Laranja” na Ucrânia, o novo presidente, Viktor Yushchenko foi convidado várias vezes para participar em cimeiras da NATO.

O governo ucraniano da altura, com Yulia Tymoshenko no cargo de primeira-ministra, esperava que a Ucrânia aderisse ao Plano de Ação Para a Integração na NATO durante a cimeira de Bucareste em Abril de 2008. No entanto, a antiga primeira-ministra adianta “a versão oficial dos países que não apoiaram a integração da Ucrânia na NATO foi que o povo ucraniano não apoiava esse passo. E isso era verdade. nessa altura, apenas 17 a 20% dos ucranianos apoiavam a adesão à NATO”.

No entanto, em 2010, Viktor Yanukovich subiu ao poder e o não alinhamento da Ucrânia foi tornado lei. Esta lei passou a estipular que a Ucrânia não procura a integração em alianças militares e políticas.

“Havia esperança de que o não-alinhamento seria suficiente como forma de “pagamento” à Rússia, que ficaria satisfeita e, em troca, reconheceria a Ucrânia como um estado, com fronteiras e integridade territorial. No entanto, vimos que estas esperanças acabaram por não se concretizar, foi ingénuo”, diz Oleksandr Sushko, diretor de investigação do Instituto para a Cooperação Euro-Atlântica.

Segundo este analista, a abolição do estatuto de país não-alinhado da Ucrânia é apenas um passo à retaguarda relativamente ao que já existia em 2010.

A Ucrânia deve agora preparar-se para mostrar o seu contributo para a segurança e defesa na Europa após passar a integrar a NATO.