EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Beijo "proibido" inflama protestos gay frente a café de Viena

Beijo "proibido" inflama protestos gay frente a café de Viena
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um protesto, em beijos, para defender a causa gay em Viena. Cerca de dois mil militantes homossexuais concentraram-se frente a um café na capital

PUBLICIDADE

Um protesto, em beijos, para defender a causa gay em Viena. Cerca de dois mil militantes homossexuais concentraram-se frente a um café na capital austríaca que tinha expulso há dias um casal de lésbicas.

O patrão, acusado de homofobia, teria convidado o casal a abandonar as instalações depois das duas mulheres se terem beijado em público.

Uma das protagonistas da situação, explica o sucedido:

“Eu pedi para falar com o dono que nos disse que o que estávamos a fazer era nojento e que se sentia enojado, que o que estávamos a fazer deveríamos fazê-lo num bordel e não num café tradicional de Viena”.

O dono do café centenário, Prueckel, no centro da polémica, já pediu desculpas pelo sucedido, frente à revolta de várias associações gays e lésbicas.

Dezenas de pessoas organizaram, em paralelo, uma contra-manifestação de apoio ao dono do café.

“Queremos mostrar a nossa solidariedade com o proprietário do café Prueckel pois pensamos que tem o direito de decidir quem é que admite no seu café”.

Desde a vitória da transexual austríaca Conchita Wurst que Viena se tornou num dos principais destinos de férias dos homossexuais de todo o mundo. Depois deste incidente, o café Prueckel, arrisca-se a ficar fora da rota turística.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência

Presidente da Geórgia garante em entrevista à Euronews que vai vetar lei dos "agentes estrangeiros"

Ascensão da extrema-direita pode por em risco direitos das pessoas LGBT, alerta a ONG ILGA