EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ucrânia: intensificação dos combates após fracasso do diálogo

Ucrânia: intensificação dos combates após fracasso do diálogo
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Pelo menos dez civis e treze soldados perderam a vida no leste da Ucrânia desde que falharam, este sábado, as negociações de paz entre Kiev e os

PUBLICIDADE

Pelo menos dez civis e treze soldados perderam a vida no leste da Ucrânia desde que falharam, este sábado, as negociações de paz entre Kiev e os separatistas pró-russos.

O fracasso do diálogo foi seguido de uma intensificação dos combates, tanto na localidade estratégica de Debaltseve, como nos arredores dos bastiões rebeldes de Lugansk e Donetsk.

Em Donetsk, os projéteis fizeram vítimas no próprio centro da cidade.

Depois de assistir à morte de um vizinho, uma residente frisa que não tem intenção de “sair” da cidade e diz que está “preparada” para se “defender” dos ataques.

Na capital, Kiev, um grupo de ativistas plantou 30 cruzes em frente à embaixada da Rússia, para lembrar as vítimas de um ataque recente na cidade costeira de Mariupol. Os manifestantes acusavam Moscovo de apoiar os separatistas.

Um dos ativistas explica que “as vidas de pessoas normais, com nomes e apelidos, transformaram-se em simples estatísticas, divulgadas no fluxo de informação transmitido pelos diferentes canais de televisão. Nestas trinta cruzes estão inscritos os nomes dos que morreram nas mãos dos agressores russos”.

O ataque do passado dia 24 de janeiro visou um mercado, duas escolas e várias casas e lojas, um dia depois dos rebeldes terem recusado negociar uma trégua e se dizerem dispostos a alargar a sua ofensiva nas regiões de Donetsk e Lugansk.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos seis feridos em ataque aéreo russo a zona residencial de Kostiantynivka

Pelo menos seis feridos após ataque aéreo russo em zona residencial de Kharkiv

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev