EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Swiss Leaks: Os meandros do escândalo

Swiss Leaks: Os meandros do escândalo
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com REUTERS, LE MONDE, LUSA, AFP E ANSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Dirigentes políticos, membros da realeza de Marrocos e Jordânia, homens de negócios, banqueiros, advogados, atores, celebridades, desportistas: os

PUBLICIDADE

Dirigentes políticos, membros da realeza de Marrocos e Jordânia, homens de negócios, banqueiros, advogados, atores, celebridades, desportistas: os ficheiros da filial suíça do banco britânico HSBC revelam 106 mil clientes de quase 200 países.

Graças ao segredo bancário helvético, o banco ajudou a fugir ao fisco, mas não só. A longa lista integra nomes de sauditas, suspeitos de financiamento à Al-Qaeda, de traficantes de droga, de armas ou de diamantes, ou de personalidades suspeitas de corrupção nos respetivos países.

Com mais de 11 235, a Suíça é o país com maior número de clientes na lista do HSBC Private Bank. Segue-se França (9 187), Reino Unido (8 844), Brasil (8 667) e Itália (7 499). Portugal é 33° da lista, com 611 clientes, e 45° com um total de 855,8 milhões de euros depositados no banco.

O analista do Baader Bank, Robert Halver, considera que “todas as evasões fiscais, mesmo as antigas, serão um dia reveladas. É assim, a verdade prevalece sempre. Isto mostra claramente que está a ser abordada a questão da evasão fiscal, em qualquer lugar. Haverá mais revelações, mas o tempo está a esgotar-se”.

As informações foram obtidas em 2007, por um ex-funcionário do HSBC, e originaram inquéritos em França e na Bélgica. Terão sido entregues ao Reino Unido em 2010.

A oposição britânica exige respostas, até porque o ex-presidente do HSBC, Stephen Green, foi nomeado secretário de Estado do Comércio.

Pedido de inquérito também na Suíça, cuja imagem sai danificada do escândalo.

O banco reagiu às revelações do “Swiss Leaks”.

O HSBC garante que as informações “fazem parte do passado”. A estratégia foi modificada em 2008 e, desde então a clientela foi drasticamente reduzida. Segundo a agência AFP, o número de clientes baixou 70% desde 2007 e, no final de 2014, os bens depositados no banco atingiam 68 mil milhões de dólares.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/en_GB/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));Post by euronews.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stonehenge intacto após ato de vandalismo de ativistas pelo clima

Pelo menos 85 migrantes resgatados no Canal da Mancha perto de Dover

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak