Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Netanyahu (...) desempenhou um papel fundamental no despertar do mundo para a ameaça nuclear iraniana", Yuval Steinitz, ministro dos Assuntos Estratégicos israelita

"Netanyahu (...) desempenhou um papel fundamental no despertar do mundo para a ameaça nuclear iraniana", Yuval Steinitz, ministro dos Assuntos Estratégicos israelita
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto as potências mundiais tentam chegar a um acordo sobre a questão nuclear iraniana, o Estado hebraico mostra-se pronto a deixá-lo cair por terra se considerar que há uma ameaça à sua segurança.

A política de Israel é a de não confirmar nem desmentir que tem armas nucleares. O ministro dos Assuntos Estratégicos israelita deu, à euronews, uma entrevista onde fala do nuclear, mas apenas do iraniano.

James Franey, euronews:

Yuval Steinitz, fala-se muito de negociações sobre a questão nuclear iraniana, qual é a sua opinião sobre a forma como as coisas estão a correr?

Yuval Steinitz, ministro dos Assuntos Estratégicos israelita:

Isso perturba-nos muito. Acreditamos que o Irão não deve ser ou tornar-se uma potência nuclear. Se o Irão continuar demasiado perto de construir uma bomba duas coisas podem acontecer. Primeiro, mais cedo ou mais tarde, o Irão vai produzir uma bomba. Como aconteceu após um acordo semelhante com a Coreia do Norte, há alguns anos. E, em segundo lugar, outros países, os sunitas, por exemplo, vão reivindicar o mesmo direito.

Por isso, em vez de parar a corrida islâmica às armas nucleares, vão ter vários Estados nucleares no Médio Oriente, no volátil Médio Oriente, no mundo muçulmano. E você sabe qual será o resultado final.

Euronews:

Na sua opinião quão perto estão eles de conseguir uma bomba?

Yuval Steinitz:

Não sei. Ainda há muitas zonas sombrias em relação a uma série de questões. Estamos a acompanhar de perto as negociações. Acreditamos que, desde o início, a abordagem global deveria ter sido diferente. Para o Irão se livrar das sanções, ser reconhecido como membro legítimo da comunidade internacional, para as instalações nucleares civis do Irão obterem o reconhecimento internacional, o Irão deve dar algo em troca. O Irão deve desmantelar as suas instalações de enriquecimento de urânio para que o mundo tenha a certeza de que o país não pode produzir uma bomba e nem está na iminência de ter a capacidade de produzir uma bomba.

Euronews:

Os iranianos vão responder que já estão sujeitos a controlos rigorosos…

Yuval Steinitz:

Só posso dizer o seguinte: nos últimos 10/15 anos, o mundo assinou dois acordos com dois regimes desonestos. Regimes brutais e perigosos que tentavam desenvolver armas atómicas.

Um deles foi assinado com a Líbia em 2003, o outro com a Coreia do Norte, em 2007. O acordo com a Líbia consistia no desmantelamento de todas as suas instalações em construção.

O acordo com a Coreia do Norte focava-se no congelamento da maior parte dos seus componentes e no desenvolvimento de melhores métodos de supervisão e fiscalização. Nós conhecemos o resultado. A Coreia do Norte tem armas nucleares, produzidas três ou quatro anos após o acordo. Portanto, temos de aprender com as lições da história recente.

O acordo com o Irão, para ser um acordo justo e satisfatório, deve ser mais próximo do modelo líbio que do modelo norte-coreano. Se o Irão tiver armas nucleares, ele criará um mundo novo e perigoso. Será a primeira vez que os radicais islâmicos têm armas tão perigosas. E isso não é apenas o futuro do Médio Oriente ou Israel, trata-se do futuro do mundo.

Euronews:

No livro “O combate ao terrorismo”, de 1995, o primeiro-ministro disse que, em 3/4 anos o Irão teria uma bomba nuclear. A comunidade internacional deve acreditar nas vossas previsões quando estão, muitas vezes, erradas?

Yuval Steinitz:

Eu acho que o primeiro-ministro Netanyahu previu que o Irão poderia produzir armas nucleares se o mundo não fizesse nada em relação a isso. E se não encontrasse muitas dificuldades pela frente. Por isso, em primeiro lugar, é bom que o Irão não tenha chegado a este ponto. Isso não é mau. É bom que esteja a levar tempo a consegui-lo.

Euronews:

Fizeram várias previsões. Shimon Peres, enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, disse à televisão francesa, penso que em 1992, que o Irão teria uma bomba até ao final dessa década.

Yuval Steinitz:

E os iranianos vieram dizer que tinha havido perturbações e problemas com os computadores, que tiveram algumas dificuldades e que encontraram alguns materiais… Eu não sei do que é que eles estavam a falar, mas tiveram muitas dificuldades no passado. Ainda hoje, mas não estão longe.

Euronews:

A que distância estão?

Yuval Steinitz:

Não sei. Um ou dois anos. Depende. E sem os esforços do primeiro-ministro Netanyahu e de Israel em geral, mas do primeiro-ministro Netanyahu, em particular, sem os seus esforços diplomáticos e os seus discursos em Israel, nos Estados Unidos, na ONU, na Europa, o mundo não colocaria tanta ênfase na questão. Na verdade, Netanyahu não está sozinho, mas desempenhou um papel fundamental no despertar do mundo para a ameaça nuclear iraniana.

Euronews:

Uma pergunta final, falou na questão dos discursos aos Estados Unidos da América. O primeiro-ministro Netanyahu planeia falar ao Congresso, em Washington, no próximo mês. Pensa que foi inteligente aceitar esse convite sem falar com o presidente Obama. Porque os Estados Unidos são um dos aliados estratégicos de Israel. Se não, o seu principal aliado estratégico.

Yuval Steinitz:

Ninguém, nem o primeiro-ministro Netanyahu, quer ofender os Estados Unidos. Temos muito respeito pelos Estados Unidos e pelo presidente Obama. Mas eu não conheço nenhum líder mundial que receba um convite para falar neste fórum, a reunião conjunta do Congresso – a Câmara dos Deputados e o Senado – e o rejeite. Às vezes podemos ter divergências, e há algumas divergências sobre a abordagem global. Por um lado, qual deve ser o objetivo final das negociações? Por outro, agradecemos a cooperação e diálogo muito forte que temos, sobre esta questão, com todo o P5+1, especialmente, com os americanos. E estou confiante de que, mesmo após as eleições em Israel, esta aliança estratégica, a cooperação em termos de segurança e a amizade… a profunda amizade entre Israel e os Estados Unidos da América vai continuar a existir, venha quem vier.