Última hora

Última hora

Netanyahu acusado de minar relações de Israel com os Estados Unidos

Em leitura:

Netanyahu acusado de minar relações de Israel com os Estados Unidos

Netanyahu acusado de minar relações de Israel com os Estados Unidos
Tamanho do texto Aa Aa

Um convite dos republicanos ao primeiro-ministro israelita, para discursar no Congresso, sem a devida reparação articulada com a Casa Branca foi o suficiente para fazer perder o sangue frio a secretários de Estado e assessores, que não poupam críticas sobre este assunto.

Desde o anúncio de que Benjamin Netanyahu iria falar ao Congresso, apenas duas semanas antes das eleições em Israel, a equipa do presidente norte-americano mostrou-se coesa e condenou em bloco. Em primeiro lugar, porque o primeiro-ministro israelita foi convidado pelo presidente da Câmara republicano John Boehner, e em segundo, porque se imiscui na diplomacia da administração norte-americana, que prepara, com desvelo, o acordo com o Irão.

A exprimir-se no Congresso americano, sobre o Irão, Nethanyahu pisa uma linha vermelha que não devia ter pisado e coloca as relações bilaterais de Israel e Estados Unidos, à prova.

http://pt.euronews.com/2015/02/19/netanyahu-desempenhou-um-papel-fundamental-no-despertar-do-mundo-para-a-ameaca-/

A tensão é palpável e a Casa Branca já não trata o assunto “com pinças”, como foi o caso da qualificação de Susan Rice, assessora do presidente norte-americano: “esta visita tem um efeito destrutivo”.

A controvérsia eclodiu no momento em que se desenham os contornos de um possível acordo sobre o programa nuclear iraniano, que envenena as relações internacionais há mais de uma década.
Para Obama, este acordo com Teerão garante que a República Islâmica não vai tentar obter armas nucleares, e contribuzi para o balanço positivo da política externa do presidente dos Estados Unidos.

Pelo seu lado, Netanyahu, que está a fazer tudo contra a conclusão do acordo, que classifica de perigoso, afirma que “repeita a Casa Branca e o presidente dos Estados Unidos mas, num assunto tão grave, é um dever fazer tudo pela a segurança de Israel.” Um choque devastador contra a diplomacia americana, com o beneplácito da oposição dos republicanos.

O dossiê nuclear iraniano

O secretário de Estado norrte-americano, John Kerry, já explicou (na Comissão da Câmara dos Representantes) que o apoio ao Estado Israel não invalida que Netanyahu tenha feito um erro de julgamento sobre o dossiê nuclear iraniano. http://pt.euronews.com/2015/02/24/israel-tera-distorcido-informacao-sobre-nuclear-iraniano/

Na verdade, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, foi desmentido pelos próprios serviços de informações, já em 2012, quando declarou que o Irão estava a um ano de distância de se dotar da bomba atómica, segundo documentos secretos divulgados agora.

As mensagens disponibilizadas por um diário britânico e por uma televisão do Qatar, provêem de trocas entre os serviços de informação sul-africanos e os homólogos estrangeiros, como a Mossad israelita, a CIA norte-americana ou o MI6 britânico, entre 2006 e dezembro de 2014.

Uma destas trocas de correspondência põe em causa a intervenção de Netanyahu na tribuna da Organização das Nações Unidas, em 2012. Na ocasião, o chefe do Governo israelita exibiu um cartaz, com uma bomba em vias de explodir, para ilustrar o que pretendia ser o seu alarme pelo alegado estado avançado do programa nuclear iraniano.

Reivindicando basear-se em informações da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Netanyahu garantira que, a partir do verão de 2013, “o mais tardar”, o Irão só precisaria de alguns meses para obter suficiente urânio enriquecido para a sua primeira bomba”.

Algumas semanas mais tarde, a Mossad concluiu, em relatório recebido pelos serviços sul-africanos, em 22 de outubro de 2012, que o Irão “não tinha a atividade necessária” para a produzir.

O Irão “não parece estar pronto para enriquecer urânio a um nível suficiente para produzir bombas nucleares”, especificou o documento.

A publicação destas mensagens secretas ocorre antes do discurso de Netanyahu, essencialmente sobre o Irão, a 3 de março, no Congresso dos EUA, intervenção que incendeia mais a polémica nos EUA como em Israel.

Netanyahu falará ao Congresso contra o acordo em discussão em Genebra, entre o Irão e o chamado grupo 5 + 1 (os EUA, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha).

O primeiro-ministro, em campanha para as legislativas de 17 de março, receia que os EUA assinem um acordo demasiado favorável ao Irão.

No domingo passado, deplorou que o “terrorismo nuclear” de Teerão “não tenha impedido a comunidade internacional de continuar a negociar um acordo nuclear com o Irão, que lhe vai permitir construir a capacidade industrial de que precisa para desenvolver armas nucleares”.

O Guardian revela também que o MI6 e outros “serviços aliados” pressionaram para bloquear a venda de equipamento, entre fim de 2007 e início de 2009, de uma empresa sul-africana a uma iraniana, suspeita de envolvimento no programa de mísseis balísticos iranianos.

A empresa sul-africana, Electric Resistance Furnaces (ERFCO), fechou as portas depois de o contrato, de valor calculado entre 500 mil (441 mil euros) e um milhão de dólares (882 mil euros), ter sido anulado.

Os serviços de informações britânicos consideram que a venda teria permitido aumentar de modo significativo a capacidade do Irão de produzir mísseis balísticos, “alguns dos quais poderiam transportar ogivas nucleares”.

Eleições em Israel

A visita de Benjamin Netanyahu aos Estados Unidos, com ênfase para o tema do poder nuclear iraniano tabém visa seduzir o eleitorado israelita, que vota em legislativas antecipadas no dia 17 de março.

Netanyahu demitiu os ministros das Finanças e da Justiça, acusando-os de boicotar o seu governo, o que levou à marca4ão das eleições antecipadas.

O episódio pôs fim à coligação que governa Israel desde o início de 2013, já que, com a saída dos dois ministros, o governo perdeu a maioria de 68 deputados que detinha no parlamento.

Para formar uma nova maioria, Benjamin Netanyahu já deu indicações de que pretende renovar a aliança com os partidos ultraortodoxos, atualmente na oposição, mas considerados “aliados naturais” do Likud, partido de direita até agora no poder.

A oposição avançou que poderá formar um bloco contra uma nova coligação liderada por Netanyahu.

De momento, o que preocupa Israel é a tensão que o primeiro ministro está a provocar nos Estados Unidos. www.rtp.pt/noticias/index.php?article=803109&tm=7&layout=121&visual=49

Barack Obama já deixara claro que não iria receber Netanyahu aquando da visita aos EUA, para não interferir no ato eleitoral em Israel. Daí ao mal-estar generalizado entre os democratas perante a possibilidade de Netanyahu se dirigir ao Congresso sem que o Presidente Barack Obama e a Administração tenham sido ouvidos foi um instante. E a questão acabaria inevitavelmente por ser aproveitada pelos adversários internos de Netanyahu – que acabara de sofrer um revés na imagem externa quando teve de impor a sua presença na manifestação de Paris, depois de o convite lhe ter sido retirado pelo Presidente Hollande. Os líderes do Zionist Camp tomaram a iniciativa.