EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Assad: "Ocidente não tem vontade de lutar contra o terrorismo"

Assad: "Ocidente não tem vontade de lutar contra o terrorismo"
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com RTP / AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Síria prepara-se para assinalar 4 anos de um conflito sangrento e Bashar al-Assad mantém um tom de desafio. Numa entrevista exclusiva para a

PUBLICIDADE

A Síria prepara-se para assinalar 4 anos de um conflito sangrento e Bashar al-Assad mantém um tom de desafio.

Numa entrevista exclusiva para a RTP, conduzida pelo jornalista português Paulo Dentinho, o presidente Sírio descarta as responsabilidades para o Ocidente, que diz “não ter vontade” para combater o terrorismo, um termo usado por Assad tanto para os extremistas do Estado Islâmico e da Frente al-Nusra, como para qualquer grupo rebelde que combate o seu Exército (veja aqui a entrevista completa).

O chefe de Estado sírio diz que “primeiro, é preciso que os responsáveis na Europa tenham a vontade de lutar contra o terrorismo. Isso não existe atualmente. Depois, são necessárias políticas prudentes. Não se pode ser arrogante e teimoso, adotando políticas egoístas. E, em terceiro lugar, o que é muito importante, lutar contra o terrorismo deve tornar-se num valor, não pode ser visto como um oportunismo”.

Bashar al-#Assad em entrevista exclusiva para a rtppt</a>, com o mesmo tom de desafio de sempre <a href="http://t.co/FKUbg1iSli">http://t.co/FKUbg1iSli</a> <a href="http://t.co/GT1Q4zhIqv">pic.twitter.com/GT1Q4zhIqv</a></p>&mdash; Rodrigo Barbosa (RodaLarga) March 5, 2015

Assad defende que “o sistema internacional, apresentado pela ONU e pelo Conselho de Segurança, que é suposto resolver problemas, proteger a soberania dos diferentes países e evitar guerras, falhou. As Nações Unidas falharam na proteção dos cidadãos internacionais, incluíndo nos casos da Síria, da Líbia, do Iémen e de outros países”. Questionado sobre o seu regime, descrito como brutal e sanguinário, Assad afirma que é “ilógico e irrealista” pensar dessa forma, voltando, mais uma vez, a defender que tem o apoio do povo.

No terreno, a cidade devastada de Aleppo é palco há vários dias de violentos combates entre o Exército sírio e os rebeldes.

Desde o início da contestação, a 15 de março de 2011, o conflito fez mais de 220.000 mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Duas crianças entre os seis mortos após bombardeamentos de Assad em Idlib

Região rebelde de Idlib bombardeada após ataque em Homs

Ataque aéreo provoca várias vítimas mortais num mercado no noroeste da Síria