A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Birmânia: Estudantes comparecem em tribunal e governo abre inquérito

Birmânia: Estudantes comparecem em tribunal e governo abre inquérito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na Birmânia, foram presentes ao tribunal de Letpadan, no centro do país, alguns dos estudantes detidos na violenta repressão do protesto contra a reforma do ensino. As famílias puderam ver de longe os detidos, após várias horas sem notícias.

Das 127 pessoas detidas, 65 são estudantes.

A organização Human Rights Watch denuncia uma prática que faz recordar as piores épocas da junta militar.

A mãe de um dos líderes do protesto diz esperar que as pessoas rezem pelos detidos, “pelo seu sacrifício”. E acrescenta: “O governo deveria fazer o bem e não provocar o ódio das pessoas”. O pai de uma estudante adianta: “Para todos nós é inaceitável. Não deveria acontecer. Não é apenas a minha filha e os outros estudantes que foram espancados pela polícia, mas pessoas normais que pedem uma mudança no ensino para o bem de todos”.

Os protestos contra a reforma educativa, tida como antidemocrática, começaram em janeiro. Os estudantes reclamam a possibilidade de criar sindicatos e o ensino de línguas dos vários grupos étnicos do país.

A marcha estudantil, que partiu do norte do país, estava bloqueada há uma semana em Letpadan, a 120 quilómetros de Rangun. Na terça-feira, a polícia, incluindo agentes à civil, dispersou o protesto à bastonada.

A repressão foi denunciada a nível interno e internacional.

O governo birmanês anunciou a abertura de um inquérito, como pediam a oposição e organizações internacionais.