EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Residentes de Mariupol manifestam-se contra agressão russa

Residentes de Mariupol manifestam-se contra agressão russa
Direitos de autor 
De  Euronews com AFP, REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Centenas de residentes de Mariupol concentraram-se este sábado no centro da cidade portuária para protestar contra o que chamam de agressão russa.

PUBLICIDADE

Centenas de residentes de Mariupol concentraram-se este sábado no centro da cidade portuária para protestar contra o que chamam de agressão russa. A trégua no leste da Ucrânia tem sido respeitada desde que entrou em vigor há um mês, apesar de algumas escaramuças com armas automáticas.

“Reunimo-nos aqui para dizer às pessoas de Mariupol, da região e aos agressores que a Ucrânia é um país pacífico. Queremos paz e reconciliação. Somos um Estado unitário e não precisamos de ser salvos por ninguém. Nós conseguimos proteger-nos sozinhos. Deixem-nos seguir o nosso caminho” – afirmou um participante; enquanto outro reclama mais meios para controlar a trégua – “É impossível controlar completamente a retirada militar do lado dos separatistasde Donetsk. Queremos que os precedimentos mudem, queremos que venham outras organizações para que haja um verdadeiro controlo do lado dos separatistas. Se o material pesado não for retirado de Mariupol e da região em redor, se não houver uma retirada do lado dos separatistas, é possível que venhamos a ser novamente atacados.”

Muitos ucranianos desconfiam que a trégua esteja a ser aproveita para os separatistas reagruparem forças para lançar uma ofensiva contra Mariupol. A cidade portuária no Mar de Azov impede uma continuidade territorial entre a Crimeia e as zonas controladas pelos independentistas pró-russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maior hospital pediátrico de Kiev alvo de ataque russo

Ucrânia atinge com drones depósito de munições no interior da Rússia

Pelo menos cinco mortos em ataque russo com mísseis a Dnipro