Tunísia: As marcas de um atentado

Tunísia: As marcas de um atentado
De  Euronews com LUSA/FRANCE 2
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O polícia morto no ataque terrorista contra o Museu Nacional do Bardo, em Tunes, foi a enterrar esta quinta-feira. Na cerimónia fúnebre estiveram

PUBLICIDADE

O polícia morto no ataque terrorista contra o Museu Nacional do Bardo, em Tunes, foi a enterrar esta quinta-feira.

Na cerimónia fúnebre estiveram presentes altos representantes do Governo, incluindo o ministro do Interior.

Do ataque aos turistas ficaram as marcas no exterior do edifício e na memória dos sobreviventes, ilesos e feridos, cujas histórias parecem extraídas de um filme de terror.

“Vi o terrorista chegar do fundo do corredor entrar de rompante e a dispara em todas as direções. Por milagre foi quem estava à minha frente que me protegeu e foi baleado.
Estou sã e salva enquanto a pessoa que estava à minha frente foi baleada na cabeça”, disse uma das sobreviventes.

Um homem teve que optar por proteger a mulher ou filho. Optando por este só ao fim de algumas horas é que soube que a mulher estava internada no hospital ferida gravemente:

“Fiz o que pude. Tive de escolher entre o meu filho e a minha mulher. Só pude proteger o pequeno.

Deitei-me por cima dele para o proteger e não pude proteger a minha mulher.

Ela está viva. Ao menos está viva”, contou.

A companhia de cruzeiros italiana Costa Crociere suspendeu as escalas dos seus navios na capital da Tunísia, na sequência do ataque terrorista.

Outra companhia de cruzeiros, a MSC, anunciou que nove dos seus passageiros morreram no ataque.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grécia mais acessível para os turistas turcos

Greve obriga ao encerramento da Torre Eiffel pela segunda vez em dois meses

Sambódromo recebeu "O Maior Espetáculo da Terra"